A Polícia Judiciária (PJ) de Coimbra vai colaborar com a Direcção Regional de Educação do Centro (DREC) no combate aos crimes «associados ao uso indevido» da Internet por crianças e jovens, segundo um protocolo assinado esta segunda-feira pelas duas instituições, refere a Lusa.

O director nacional adjunto da PJ, Pedro do Carmo, disse que o protocolo visa a participação de profissionais da Directoria de Coimbra daquela polícia em acções de informação e formação destinadas sobretudo a professores e responsáveis das associações de pais.

«O nosso objectivo - adiantou - é evitar que crianças e jovens sejam vítimas dos ilícitos geralmente associados ao uso da Internet, telemóveis e novas tecnologias em geral», como ameaças, difamação, divulgação de imagens e outros dados da vida privada sem consentimento.

Pedro do Carmo referiu, no entanto, que a colaboração da PJ com associações de pais e agrupamentos de escolas da Região Centro, segundo calendário a definir pela DREC, visa ainda prevenir eventuais crimes de que os utilizadores em idade escolar possam ser autores recorrendo às novas tecnologias, por exemplo a contrafacção de moeda e o não respeito pelos direitos de autor na reprodução de fotos, obras musicais, literárias ou científicas.

Segundo o responsável da Directoria de Coimbra da PJ, «o aliciamento de crianças e jovens com propósitos menos lícitos», através da Internet e dos telemóveis, podendo culminar nos crimes de pedofilia, «é uma área da criminalidade em franca expansão» nas sociedades modernas.

«A situação não é preocupante em Portugal. Mas queremos evitar que venha a ser», sublinhou, frisando que os pais «estão ainda pouco sensibilizados para os perigos associados» à utilização crescente das novas tecnologias pelos filhos.

O protocolo foi assinado nas instalações da Directoria de Coimbra da PJ por Pedro do Carmo e pelo director regional adjunto de Educação do Centro, José Maria Teles Sampaio, na presença do director nacional da Polícia Judiciária, Alípio Ribeiro.
Portugal Diário