O governo espanhol vai intensificar o processo de vacinação e estender ao exterior a obrigatoriedade de utilização de máscaras, para lutar contra o aumento de casos de covid-19, anunciou esta quarta-feira o primeiro-ministro espanhol.

Pedro Sánchez avançou estas medidas no final de uma reunião com os presidentes das 17 comunidades autónomas espanholas e das duas cidades autónomas do norte de África, Ceuta e Melilla.

"Vacinação e prevenção é o melhor que temos de fazer", disse Pedro Sánchez em conferência de imprensa.

Vários partidos políticos da direita e da esquerda já criticaram a decisão do governo de aprovar a utilização obrigatória de máscaras no exterior, considerando-a uma medida com pouca base científica.

Para Pedro Sánchez a medida "mais importante" será a "intensificação e aceleração" do atual processo de vacinação, sendo estabelecidos uma série de objetivos: 80% da população com idades entre os 60 e 69 anos deverão estar vacinados com a terceira dose até ao final do ano; 80% da população entre 50 e 59 anos na semana de 24 de janeiro; e 80% da população entre 40 e 49 anos na primeira semana de março.

Madrid também quer que 70% das crianças esteja vacinada com a primeira dose na semana de 7 de fevereiro; e 70% com a segunda dose na semana de 19 de abril.

Por outro lado, o executivo espanhol vai "reforçar" os dispositivos de vacinação com equipas das Forças Armadas, bem como a disponibilização de hospitais da Rede de Saúde Militar.

Para o governo espanhol, a segunda medida mais importante é precisamente tornar obrigatório o uso obrigatório de máscaras faciais no exterior.

Uma reunião extraordinária do Conselho de Ministros espanhol vai aprovar na quinta-feira, através de um decreto-lei, esta medida.

Por outro lado vão ser emitidas "autorizações temporárias" para permitir a venda nas farmácias de certos testes antigénicos para uso profissional, de modo a que estejam disponíveis para toda a população.

Aumento do número de profissionais de saúde

Madrid também decidiu aumentar o número de profissionais de saúde disponíveis e melhorar as suas condições de trabalho, "reduzindo o emprego temporário para menos de 8%".

Vão ser dadas instruções para se proceder ao recrutamento de pessoal de saúde reformado e pré-reformado e autorizar o recrutamento de profissionais com qualificações especializadas obtidas em Estados não membros da União Europeia.

As pessoas que tenham tido contacto direto com uma pessoa infetada "não devem", por outro lado, ser colocadas em quarentena se tiverem sido totalmente vacinadas.

A partir de 1 de fevereiro de 2022, no âmbito do certificado verde digital covid-19, o período de validade da vacinação será de nove meses, a partir da data de administração da última dose.

/ JGR