O diretor-geral do Instituto Internacional de Finanças (IIF), a entidade que representou os credores privados na negociação com Atenas, alertou esta sexa-feira que a instituição que dirige não vai negociar outros processos de reestruturação de dívida na zona euro, após o plano da Grécia.

«Desaconselho fortemente outros governos, outros povos da Europa a tomarem esta via», afirmou Charles Dallara, em entrevista ao canal norte-americano CNBC.

Questionado sobre as razões pelas quais tenta dissuadir Portugal ou a Irlanda de eliminarem uma parte da dívida, o responsável referiu complicações e sacrifícios.

«Porque não devem fazê-lo? Porque isso foi extremamente doloroso para os cidadãos gregos, para os dirigentes gregos e para toda a zona euro. Isto foi uma nuvem em cima da zona euro que aí permaneceu durante muito tempo e começou a baixar a confiança», explicou.

De acordo com Charles Dallara, trata-se de uma situação de «caráter único», que reflete «a dívida e as distorções da economia grega».

O IIF, uma organização mundial com sede em Washington, representou os credores privados nas negociações com Atenas, que se iniciaram em julho e culminaram na maior reestruturação de dívida da história.

A Autoridade de Gestão da Dívida Pública (PDMA) da Grécia anunciou esta sexta-feira que 95,7% dos detentores das obrigações gregas irão participar na maior operação de reestruturação de dívida soberana da história.