Se as suas calças de ganga preferidas estão demasiado estragadas para causarem sensação, tome nota desta ideia porque ser-lhe-á útil. Especialmente se vive na zona Norte do País. Trata-se de uma loja que tem como objectivo de negócio a recuperação de objectos, como roupa ou artesanato. A «Únicos Bijuteria» é o primeiro negócio no âmbito do Programa Criar da Lipor - Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto, um comércio amigo do ambiente inaugurado esta quarta-feira, em Ermesinde.

O projecto da Lipor financia e promove pessoas com iniciativas empresariais viáveis que tenham dificuldades de acesso a crédito normal. Eugénia Teixeira, proprietária desta loja de reciclagem, está entre os 18 micro-empresários seleccionados pela Lipor.

Todos os produtos disponíveis na loja são transformados de forma artesanal por Eugénia Teixeira que, aos 43 anos, decidiu que era altura que abrir a sua própria entrega e deixar de vender as suas criações apenas aos amigos.

Eugénia apresentou o projecto à Lipor e conseguiu o micro-crédito, com um juro mais baixo que os créditos normais. «Através de um outro empréstimo não podia pagar», afirma a proprietária da loja.

O principal objectivo da «Únicos Bijuteria» é a recuperação de roupa. Eugénia explica que umas calças estragadas não têm necessariamente que ir para o lixo, basta colocar «uma aplicação e parecem novas». Para além de aplicações, a recuperação de roupa também pode ser feita através da pintura e do bordado. Este tipo de negócios ainda não é frequente no nosso país, «há lojas de arranjos, não há lojas de recuperação», diz.

Quanto ao futuro da sua empresa, as expectativas são boas. Para contrariar a fraca localização do estabelecimento, no Centro Comercial de Ermesinde, Eugénia já pensou em formas de divulgação como distribuição de panfletos e criação de um blogue na Internet.
Redação / Ana Ascenção e Silva