O ministro da Economia, Siza Vieira, defendeu, esta sexta-feira, que, no caso de convocação de eleições antecipadas, elas devem ser realizadas "o mais rapidamente possível" para não prejudicar a "recuperação" da economia portuguesa e a "aplicação e gestão dos fundos europeus".

Em declarações aos jornalistas, à margem da 33.ª Reunião Plenária do Conselho Nacional do Consumo, no instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade de Lisboa (ISEG), Siza Vieira considerou que a atual crise política representa "um risco" para a economia portuguesa, uma vez que pode colocar em causa a aplicação dos fundos do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR).

"Precisamos de eleições - se for essa a decisão do senhor Presidente da República - o mais rapidamente possível. Isto permitirá também ultrapassar esta incerteza, que obviamente tem um impacto negativo sobre a economia. Quanto mais cedo, no início do próximo ano, as eleições puderem ser realizadas, melhor é também para a economia portuguesa", defendeu.

Para o ministro, é necessário que "independentemente das circunstâncias políticas, das decisões do senhor Presidente da República e do que os portugueses venham a fazer", todos devem "fazer o seu papel" para evitar "prejudicar o país".

"Estamos a fazer toda a avaliação no sentido de assegurarmos que prosseguimos bem o ritmo de aplicação e gestão dos fundos europeus. Sabendo-se que o PRR tem metas muito exigentes exigentes nos passos a dar a cada trimestre,  todos os portugueses perceberão que o Governo faça todos os esforços no sentido de continuar a cumprir essas metas", salientou o ministro.

Questionado sobre o crescimento da economia de 4,2% no terceiro trimestre, de acordo com dados divulgados esta sexta-feira pelo INE, Siza Vieira considerou que estes números são "obviamente positivos" e mostram como a "economia portuguesa está no caminho certo da recuperação".

"A economia portuguesa cresce relativamente ao período homólogo do ano passado. O terceiro trimestre de 2020 tinha sido já de grande crescimento, (...) a comparação ainda torna estes números mais relevantes. Portugal cresce mais do que a média da União Europeia  mais do que a média da zona euro, somos o terceiro país com crescimento mais significativo", vincou.

Beatriz Céu