Miguel Lopes conquistou a titularidade no F.C. Porto e deve ser a escolha de Jesualdo Ferreira para o lado direito da defesa, na final da Taça da Liga. O lateral português irá defrontar o Benfica, clube que o dispensou em 2006.

«Vai ser um jogo especial para o Miguel, porque esteve na equipa B do Benfica, foi emprestado no ano seguinte e acabou por sair de vez. Ele quer provar que merecia ter ficado no Benfica», começa por dizer Nuno Lopes, extremo do Boavista e irmão gémeo de Miguel.

O jogador do F.C. Porto cresceu em Chelas, no seio de uma família de adeptos do Sporting, e já passou pelo Benfica. Um trajecto curioso.

Nuno revela o estado de espírito de Miguel. O defesa surgiu no onze após a desastrosa exibição de Fucile no Emirates Stadium, frente ao Arsenal. «O Miguel está confiante, fez uma boa exibição contra a Académica. Não errou uma única vez. Contra o Olhanense, não esteve tão bem, mas é preciso ver que ele não tinha ritmo. Agora está melhor», defende, em conversa com o Maisfutebol.

Rio em comum com Coentrão

«Contra a Académica, o Miguel provou que merece a oportunidade. Espero que ele seja titular frente ao Benfica e já se está a preparar para esse jogo. Ele anulou o João Ribeiro, da Académica, e agora quer meter o Di María no bolso, como se costuma dizer em jeito de brincadeira, sabendo que ele tem muita qualidade. É essa a intenção, pelo menos. Não o pode deixar virar-se, tem de estar sempre em cima», frisa Nuno Lopes.

Miguel Lopes estuda o flanco esquerdo do Benfica. Fábio Coentrão, um velho amigo, deverá ocupar um lugar nesse corredor. Um encontro de antigos colegas no Rio Ave. «Ainda não falaram sobre este jogo, mas eles eram amigos no Rio Ave e continuam a falar um com o outro, de vez em quando», explica.

«O Fucile tem uma boa relação com o Miguel»

O lateral direito chegou ao F.C. Porto sem grande pompa. Contraiu uma lesão e ficou na sombra de Fucile. Agora, o cenário mudou. «Eles trocam conselhos, falam muito. Mesmo quando o Miguel estava de fora, o Fucile incentivava-o, ajudava-o. É tudo uma grande família», diz Nuno.

Contudo, Miguel Lopes espera agarrar a oportunidade e arrancar para uma bela recta final de temporada. «Ele tem melhorado muito em termos defensivos. Contra a Académica, não subiu tanto como costuma fazer. Percebeu que tem de ser essa a prioridade. Agora, está nas suas mãos segurar o lugar. Só depende dele», remata o extremo do Boavista.

Aos 23 anos, o irmão gémeo do lateral portista espera recuperar o tempo perdido e chegar ao mesmo patamar que Miguel. «É uma questão de oportunidade. Esta época está a correr bem. Fiz várias assistências e já marquei cinco golos. Vamos ver», remata, em jeito de promessa.