O Benfica fez um requerimento ao processo do hacker Rui Pinto para saber quais as provas que estão incluídas no mandato de detenção do pirata informático.

Caso se justifique, o clube da Luz tenciona usar essas provas no âmbito de uma investigação mais alargada. Isto significa que, após a resposta do processo, o Benfica poderá constituir-se como assistente e pedir para incluir os casos do acesso aos e-mails nesta investigação. 

Rui Pinto está indiciado de seis crimes: dois de acesso ilegítimo, dois de violação de segredo, um de ofensa a pessoa coletiva e outro de extorsão na forma tentada.

Em causa está o acesso, em setembro de 2015, ao sistema informático da "Doyen Sports Investements Limited", com sede em Malta, que celebra contratos com clubes de futebol e Sociedades Anónimas Desportivas (SAD).

Além disso, o hacker é suspeito de aceder ao e-mail de elementos do conselho de administração e do departamento jurídico do Sporting e, consequentemente, ao sistema informático da SAD leonina.

Inês Pereira