O mercado de transferências continua a mexer em Portugal, sobretudo, nos três grandes. Luís Vilar e Nuno Dias analisam as principais novidades deste mercado de inverno.

Munas Dabbur, jogador do Sevilha, pode estar a caminho de Alvalade. Dyego Sousa é outro avançado que está no leque de opções para reforçar a frente de ataque leonina.

Munas Dabbur é um dos nomes referenciados pelo Sporting”, explica Nuno Dias.

O passe de Dabbur custou cerca de 17 milhões de euros aos cofres do Sevilha. Luís Vilar entende que o clube espanhol não estará disposto a receber uma quantia muito abaixo desse valor pelo passe do avançado e como tal o Sporting só deverá conseguir o jogador por empréstimo.

Acho que o Sporting não terá capacidade [financeira] de chegar a Munas Dabbur", relembra Luís Vilar.

 

Daniel Carriço está perto do fim de contrato com o Sevilha. O jogador poderá estar na órbita de Alvalade neste mercado de transferências. Luís Vilar destaca que o jogador poderia ser importante para o clube leonino voltar a reencontrar-se.

Daniel Carriço é a recuperação do ADN do Sporting”, diz Luís Vilar.

 

Weigl partilhou, nas redes sociais, esta quinta-feira um vídeo do Estádio da Luz, enquanto circulava na 2ª circular. 

O Benfica apresentou Weigl durante a tarde, desta quinta-feira. O avançado alemão assinou até 2024 com uma cláusula de rescisão de 100 milhões de euros. Cândido Costa e Luís Vilar analisaram o que Weigl vai trazer de novo para o futebol dos encarnados.

Tive uma sensação especial”, disse Weigl sobre a vinda para o Benfica.

 

Raul de Tomas não conseguiu ainda alcançar os números que se esperavam no Benfica. O Espanhol, da Catalunha, não desiste do jogador e parece estar disposto a fazer chegar uma proposta ao clube da Luz ainda neste mercado de transferências.

Waris poderá estar de saída do FC Porto. Nantes e Estrasburgo são os principais interessados no avançado ganês. Luís Vilar destaca que Waris foi uma contratação errada por parte dos dragões.

Waris nunca teve o talento para ser um avançado do FC Porto”, reitera Luís Vilar.