O Estádio do Dragão vai receber a final da Liga dos Campeões. É a segunda final consecutiva da mítica prova a tomar lugar em Portugal. Pinto da Costa já reagiu e deixou farpas ao Sporting, ao dizer que é preciso limpar a imagem de Portugal depois dos confrontos registados na festa do título dos leões.

Rui Pedro Braz considerou que esta é uma excelente notícia para Portugal e para a sua “capacidade de organização”, no entanto, critica as declarações de Pinto da Costa, que considera parecerem um regresso “aos anos 90”, quando o regionalismo foi utilizado no confronto entre clubes portugueses.

Desde a expo 98 que Portugal é reconhecido no estrangeiro como um país que sabe receber, sabe organizar eventos de grandes dimensões no nosso país. (…) Não fosse por Pinto da Costa estar um pouco mais velho, parecia que estávamos nos anos 90”, afirmou.

O comentador sublinhou que o que aconteceu durante os festejos do Sporting podia e devia ter sido evitado, no entanto, não aconteceu “do outro lado do mundo”, reforçando que as falhas no combate à pandemia já foram cometidas em todos os lados do país.

Fica muito mal a Pinto da Costa esta necessidade de querer meter mais uma farpa em Lisboa. Discurso de Pinto da Costa só faz sentido nos anos 90”, criticou.

O jornalista da TVI lembrou ainda o lema do Sporting para dizer que Portugal devia por o regionalismo de lado e abordar uma atitude de “onde vai um, vão todos”.

Cândido Costa desdobrou-se em elogios à escolha do estádio do Dragão para palco da final das Liga dos Campeões. No entanto, foram os festejos dos adeptos leoninos e a irresponsabilidade demonstrada na organização do evento que mereceram o destaque do comentador.

Festejou-se como se não houvesse covid-19. Fez-se uma festa em pandemia, como se não houvesse pandemia”, reforçou.