A imagem é de 2012, após a derrota de Portugal no Euro 2012 com a Espanha nas grandes penalidades, mas Ronaldo terá repetido a mesma expressão quando chegou ao balneário após ser expulso no Mestalla: "INJUSTIÇA!".

Durou 24 minutos a estreia na Liga dos Campeões de Cristiano Ronaldo com a camisola da Juventus, já que o árbitro de baliza considerou que o português agrediu Murillo, mas as imagens não demonstram isso. Um bate-boca, um toque de Ronaldo na cabeça, mas exagerado para uma expulsão. Foi o primeiro cartão vermelho do capitão da seleção nacional na Liga dos Campeões, o 12.º da carreira.

Ronaldo ficou em lágrimas e saiu do Mestalla desesperado, perante tamanha injustiça.

Apesar do revés, a Velha Senhora foi "matreira" e de penálti em penálti levou os três pontos para Turim. Pjanic aproveitou a ausência de Ronaldo e converteu aos 45 minutos uma grande penalidade conquistada por João Cancelo. O segundo tempo abriu com nova grande penalidade e o bósnio bisou na partida

O Valência ainda tentou, aproximou-se da baliza, mas o jogo era contra italianos, e na arte de defender é difícil batê-los. Nos descontos finais, o clube "Che" ganhou uma grande penalidade, mas Parejo desperdiçou. Não era dia de Valência e a equipa de Gonçalo Guedes, que foi titular, vai agora a Manchester tentar os primeiros pontos no grupo H.

Na Suíça, José Mourinho estreou Diogo Dalot com a camisola dos Red Devils e o menino impressionou de imediato.

Tal como o português, o Manchester United fez uma boa exibição e venceu por 0-3 o Young Boys. Pogba foi a estrela, de braçadeira no braço, ao marcar dois golos e a assistir Martial no terceiro.

Se achar que são muitos golos para ver, assista ao primeiro do francês. Que qualidade! 

Grupo H fechado com os favoritos na liderança, com Ronaldo K.O.

 

Veja também:

Renato Sanches voltou a ser Renato Sanches "em casa"

O Benfica recebia o Bayern e uma das surpresas da noite aconteceu antes do início da partida. Saía o onze do Bayern e Renato Sanches figurava entre os titulares, algo que não acontecia desde 6 de maio de 2017.

O médio alinhou ao lado do experiente Javi Martínez e atrás de James e esteve a um bom nível. Sempre ligado ao jogo, mais assertivo do que tem sido e a aparecer nos lances de ataque. O Renato de 2016 dava alguns sinais de vida e ao minuto 54 marcou mesmo, recebendo uma ovação monumental, como se estivesse a jogar pela equipa da casa.

Mas não. Renato era adversário, todavia a Luz não quis saber disso e aplaudiu. Até o treinador do Bayern, Niko Kovac, se mostrou impressionado.

Antes Lewandowski já tinha feito o gosto ao pé e, por isso, Renato sentenciou a derrota benfiquista na Luz, elevando para oito derrotas consecutivas a série do Benfica na Liga dos Campeões. A última vitória data de 14 de fevereiro de 2017 frente ao Borussia Dortmund.

No outro jogo do grupo, o Ajax amassou o AEK, com André Simões a titular, e venceu por 3-0. O herói foi o lateral-esquerdo Tagliafico, que bisou.

O novo n.º 7 do Real Madrid estreou-se com o golo da noite

Depois do legado de Cristiano Ronaldo em Madrid, há agora um novo camisola 7. Mariano Díaz regressou ao clube de formação e assumiu a camisola mítica e na estreia na desiludiu.

Entrou aos 73' e aos 90+1' marcou o golo da noite e um dos melhores da jornada. Recebeu de Marcelo e com uma "banana" bateu Olsen, num golaço que levantou o Bernabéu. 

Foi o 3-0 do Real Madrid à Roma, num duelo em que Keylor Navas faz grandes intervenções e Asensio que nos pés um golo que podia ter corrido o mundo.

Antes destes lances, já Isco, num livre direto perfeito, e Bale, numa arrancada imparável, tinham dado vantagem aos merengues.

No jogo dos "outsiders" do grupo, Plzen e CSKA de Moscovo empataram a duas bolas.

Bernardo ainda deu esperança a Guardiola, mas deu surpresa

O Manchester City é o grande favorito a vencer o grupo F, mas começou muito mal. Os pupilos de Guardiola, que viu o jogo da bancada por estar castigado, receberam o Lyon e ao intervalo já perdiam por 0-2.

Cornet fez o primeiro e Fékir aumentou a vantagem.

Surpresa geral em Manchester e a cabeça de Guardiola a dar voltas. O que era preciso fazer?

O espanhol chamou a jogo Kun Aguero e Leroy Sané e colheu frutos. Não foram eles que marcaram, foi o pequeno Bernardo Silva a bater o compatriota Anthony Lopes.

Ficou curto e o Manchester City somou a primeira derrota da época.

No outro jogo do grupo, o Shakthar, de Paulo Fonseca, empatou em casa com o Hoffenheim, graças a uma bomba de Maycon e a uma trivela do ex-Braga, Ismaily.