Santana Lopes, Paulo Portas, Jorge Coelho e Pires de Lima são alguns dos mais de 30 signatários de uma carta aberta aos futebolistas do Sporting, aos quais pedem “um pacto de sangue, verde de esperança”, a partir de segunda-feira.

A nossa história precisa e merece o vosso contributo e responsabilidade. Dentro, mas também fora das quatro linhas. O futuro desta grande instituição centenária não está nos vossos pés, está nas vossas e nas nossas mãos. Juntas, unidas e coesas. Ajudem-nos a ajudar-vos para iniciarmos, juntos, um novo ciclo, um novo caminho de sucesso para que possamos construir um novo futuro para o Sporting”, lê-se na carta, a que a Lusa teve hoje acesso.

Estes ‘notáveis’ pedem aos jogadores que “não virem as costas ao clube” e “demonstrem uma vez mais que têm o ‘Sporting no sangue’, na sequência de “vários e sucessivos acontecimentos de enorme gravidade”, que os deixaram “profundamente chocados”.

Sabemos que viveram um momento único e talvez o mais difícil das vossas vidas, certamente extensível a todos quantos vos são queridos, e que este é um momento ingrato, injusto e muito doloroso. É por isso que estamos aqui, solidários com todos vocês mas também empenhados em agir de imediato, deixando uma mensagem de confiança no futuro”, prossegue a missiva.

Considerando a existência de “um presente triste e negro”, apontam ao futuro, evocando os “sócios, adeptos e simpatizantes espalhados pelo mundo, dos mais humildes aos mais bem posicionados”, com “Sporting no sangue”, que “tudo farão para salvar o Sporting Clube de Portugal desta situação”.

Nesse sentido, deixam um apelo ao coração, à responsabilidade, ao reconhecimento e respeito pelos sportinguistas: “Uma família que nunca vos deixou nem nunca vos deixará sozinhos. O Clube que representam, e o leão que trazem ao peito, precisa hoje, mais do que nunca, de todos”.

Não virem as costas ao nosso clube. Demonstrem uma vez mais que têm o ‘Sporting no sangue’. Porque este é um sangue de força, de energia, de rejuvenescimento, de vontade de ganhar. É um sangue de valores éticos, morais e sociais que voltarão a fazer do Sporting o grande Sporting Clube de Portugal”, remata a carta assinada por antigos governantes como António Pires de Lima, Bernardo Trindade, Carmona Rodrigues, José Vera Jardim, Nuno Fernandes Thomaz, Paulo Núncio, Paulo Portas e Pedro Santana Lopes, um dos dois antigos presidentes do clube signatários, juntamente com Filipe Soares Franco.

Na terça-feira, antes do primeiro treino para a final da Taça de Portugal, a equipa de futebol do Sporting foi atacada na academia do clube, em Alcochete, por um grupo de cerca de 50 alegados adeptos encapuzados, que agrediram técnicos e jogadores. A GNR deteve 23 dos atacantes.

Paralelamente, a Polícia Judiciária deteve na quarta-feira quatro pessoas na sequência de denúncias de alegada corrupção em jogos de andebol, incluindo o diretor desportivo do futebol, André Geraldes, que foi libertado sob caução e impedido de exercer funções desportivas.

O cenário agravou-se com as demissões na quinta-feira da Mesa da Assembleia Geral, em bloco, da maioria dos membros do Conselho Fiscal e Disciplinar, instando o presidente do Sporting a seguir o seu exemplo, mas Bruno de Carvalho anunciou que se irá manter no cargo, apesar das seis demissões no Conselho Diretivo.