Nélson Évora e Pedro Pichardo são os dois nomes mais altos do triplo salto português, mas a relação entre ambos é, no mínimo, conturbada. Depois de alguma polémica na prova de acesso à final do triplo salto dos Jogos Olímpicos de 2020, parece haver mais lenha por onde arder.

Rivais de outros tempos, os desportistas entraram em Tóquio 2020 a defender as cores de Portugal, com Pedro Pichardo a conseguir conquistar a medalha de ouro após um salto a 17 metros e 98. Antes dele, Nélson Évora tinha conseguido o mesmo feito em Pequim, em 2008.

Através de uma publicação na secção das histórias do Instagram, Nélson Évora deixou uma curta mensagem, onde dá os parabéns ao atleta que em tempos representou Cuba.

Já depois da publicação de Nélson Évora, o novo campeão olímpico diz que as pessoas confudem as coisas: "O Nélson nunca foi meu amigo. Há uma certa rivalidade desportiva, mas se fala comigo ou não, não faz diferença", disse Pichardo.

Depois de uma qualificação em que Pedro Pichardo alcançou a melhor marca, Nélson Évora reavivou a rivalidade entre ambos quando questionado se cumprimentaria Pichardo se estivesse na pista nesse momento.

Não sei porquê, não por mim, mas não teria de ser eu a abraçá-lo. O Pichardo há-de aprender com a vida. Espero que tudo lhe corra muito bem", afirmou.

Nelson Évora tinha acabado de ficar afastado da final do concurso que venceu há 13 anos, após se ter lesionado no primeiro salto e conseguido depois 15,39 metros, que o deixaram no 27.º e último lugar.

Não tenho nada a provar. Queria divertir-me, o que me deixou mais emocionado foi que logo o primeiro ensaio correr como correu e não poder desfrutar da prova", lamentou, abordando as despedidas, com amigos e rivais, assim que terminou a prova:

António Guimarães