A TVI sabe que a direção do Benfica vai "chumbar" o negócio que envolve o milionário norte-americano John Textor.

Segundo apurou a TVI, a direção do Benfica entende que há um conflito de interesses com John Textor, uma vez que o investidor detém um negócio de streaming ligado ao futebol e manifestou interesse em comprar grande parte das ações do Crystal Palace. Ou seja, no entender da direção do Benfica, haveria aqui um problema de concorrência.

Mas há ainda outro argumento: uma vez que se tratava de uma compra de 25% das ações da SAD do Benfica, esta é considerada uma participação especial. E uma participação especial, conforme foi aprovado pela direção de Luís Filipe Vieira, tem sempre de ir a uma Assembleia-Geral da SAD.

Ora, o Benfica, com maioria nessa AG da SAD, chumbará o negócio, caso John Textor siga em frente com a sua intenção de comprar.

Ao que a TVI apurou, há ainda uma pequena parte do negócio dos 25% que diz respeito a ações do próprio Vieira, nas quais o Benfica tem direito de preferência. Ou seja, para inviabilizar o negócio, o clube está disposto a comprar estas ações.

Recorde-se que a SAD do Benfica tinha enviado, na noite desta terça-feira, uma informação à CMVM, confirmando oficialmente a intenção do seu maior acionista individual, José António dos Santos, de vender 25 por cento das ações representativas do capital social do organismo ao empresário norte-americano John Textor. 

A comunicação confirmava que José António dos Santos, conhecido por "rei dos frangos" e arguido na operação Cartão Vermelho, cumpriu todas as diligências necessárias para ceder a sua participação ao investidor norte-americano. 

O processo ainda não estava completo, mas John Textor já tinha pago a José António dos Santos um milhão de euros, numa espécie de sinalização deste contrato-promessa