No programa Mais Bastidores desta sexta-feira, os comentadores Nuno Dias e Rui Pedro Braz analisaram a confirmação de Jorge Jesus como treinador do Benfica na próxima época e fizeram revelações sobre os contornos do contrato.

A liderança de Jorge Jesus deverá ser acompanhada por Luisão, que carregou o emblema dos encarnados durante 15 anos, e que se pode juntar ao ex-flamengo como treinador adjunto das águias.

“Vieira e Jesus têm o desejo de integrar Luisão na equipa técnica”, afirma Rui Pedro Braz, sublinhando que o defesa atingiu o auge da sua carreira quando Jorge Jesus liderava o Benfica.

 

Rui Pedro Braz adianta ainda que Luisão e Jesus têm uma grande relação de amizade. “Ele era a extensão do técnico dentro das quatro linhas”.

Um ex-jogador cujo regresso pode trazer unanimidade aos adeptos do Benfica e que também pode ajudar a impor disciplina no balneário, define deste modo Cândido Costa, convidado do programa, sublinhando que Luisão terá o papel importante de ajudar a criar um compromisso coletivo.

“A equipa técnica de Jesus tem um grau de excelência tremendo”, afirma Cândido Costa. Este patamar definido por Jesus, que venceu com a equipa seis troféus no Flamengo, fez com que o último detalhe da sua contratação para o Benfica tenha sido o valor salarial do seu staff.

 

Embora Jesus tenha anuído a um decréscimo salarial, diz Rui Pedro Braz, exigiu que a sua equipa técnica recebesse o mesmo que estava a auferir no Flamengo.

Jorge Jesus irá receber três milhões de euros “limpos” por ano, mas é o homem certo para um Benfica que deixou deslizar as oportunidades da conquista da I Liga este ano? Rui Pedro Braz acredita que “só o tempo dirá”.

Ainda assim, o comentador reitera que Jesus deixou um legado durante os anos em que esteve no Benfica. “Lage, Rui Vitória encontraram um clube completamente diferente daquele que Jesus encontrou. Jorge Jesus pegou num clube que tinha um currículo paupérrimo e sem títulos durante cerca de três anos”.

No clube, afirma o comentador, Jesus provocou uma “viragem tremenda. Disputou todos os campeonatos até ao fim e colocou o Benfica em finais europeias. Depois, quando saiu, colocou o Sporting num patamar não visto há anos”.

“Jesus chega muito maior do que quando saiu”, afirma Rui Pedro Braz.

 

Na mesma linha, Nuno Dias considera que Jesus consolidou “lá fora uma qualidade tremenda que aqui poucos reconheciam”. 

O comentador admite ainda a possibilidade de conflitos entre adeptos e treinadores, já que quando o técnico saiu do Benfica “não foi por vontade própria. A ida dele para o Sporting criou uma fricção entre o treinador do presidente do SLB”.

Pedro Torres, jornalista da ESPN Brasil, juntou-se ao programa a partir do Rio de Janeiro e adiantou que a saída de Jesus do Maracanã vai envolver uma repopulação de todo o departamento técnico dos mengões. 

 

“A sua saída vai criar uma revolução dentro do futebol do Flamengo”, disse.

Uma revolução que não será só feita em termos de pessoal, mas que também será sentida pelos adeptos do Flamengo que tinham em Jesus um ídolo, “algo pouco comum no mundo do futebol que, normalmente, reserva esse lugar para os jogadores”.