O Sporting reagiu em comunicado às suspeitas de corrupção a árbitros, tendo em vista a conquista do campeonato de Andebol da época 2016/2017, afirmando estar-se "perante o primeiro capítulo de uma campanha, mais uma, que visa exclusivamente denegrir a imagem da instituição Sporting CP, a qual se estenderá, já o sabemos, a todas as modalidades do Clube".

Repudiamos de forma veemente estas notícias, o modo como são construídas e a intenção que lhes está associada. De igual modo, não nos revemos em qualquer práctica que desvirtue a verdade desportiva ou que sejam ética, moral e socialmente censuráveis", salienta o comunicado.

Face à notícia avançada pelo jornal Correio da Manhã, que levou já o Ministério Público a abrir uma investigação, bem como a Federação de Andebol a participar ao seu Conselho de Justiça e à Procuradoria-Geral da República, o clube considera "ser espantosa a quantidade de agentes e empresários, que não conhecemos, que se atrevem a falar em público sobre o Sporting CP".

Sem "gabinete de crise"

No comunicado, o Sporting aproveita para visar o rival Benfica, afirmando que, "porque não estamos em crise, não vamos, em momento algum, constituir qualquer “gabinete de crise”, apesar de haver uma intenção clara de nos confundirem com vouchers, emails e toupeiras".

O Sporting CP é um alvo a abater porque é o único clube que, genuinamente, continua a lutar e a querer transparência e verdade desportiva em Portugal", refere o comunicado.

O clube finaliza o seu comunicado dizendo-se "obviamente disponível para colaborar em todas as diligências que se entendam necessárias", acrescentando que "confia na Justiça e no Estado de Direito e deseja que a alegada investigação anunciada pelo Ministério Público seja célere e que vá até às últimas consequências no apuramento da verdade".