Moussa Marega está de saída do FC Porto, numa notícia exclusiva do espaço Mais Bastidores, da TVI24. Ao que foi possível apurar, o maliano e o seu agente não chegaram a acordo para renovar com os dragões, e o próximo clube do atleta deve ser do campeonato da Arábia Saudita.

Cândido Costa não se mostrou surpreendido com as informações que dão conta desta movimentação e revelou que o destino mais provável para o jogador deverá ser o Al-Hilal. O comentador destacou que “é claro” que o FC Porto tinha a intenção de renovar com Marega, uma vez que é um dos jogadores prediletos do treinador, mas que não o pode fazer uma vez que os valores desejados pelo atleta são superiores aos que os dragões podem oferecer.

Eu também acho que é um jogador que faz falta. Mas é um jogador com 30 anos e aquilo que o jogador imagina que pode ganhar é muito diferente do que o FC Porto imagina que o atleta poderá ganhar. O jogador e o seu empresário acham que o jogador deve receber uma determinada quantia e o FC Porto entende que não. É uma gestão bem adequada ao momento, tem 30 anos e o FC Porto não pode entrar em loucuras”, sublinhou.

Rui Pedro Braz também sublinhou o facto de o jogador já ter 30 anos e que, a concretizar-se, este será o “contrato da sua vida” em termos financeiros, apelidando a movimentação de uma “busca dos petrodólares”.

Aqui o dinheiro fala mais alto”, considerou também Nuno Dias. Para o jornalista da TVI, depois de uma carreira sólida ao serviço dos dragões, “é justo” que persiga a segurança financeira noutras paragens.

O FC Porto tinha a possibilidade de colocar ainda mais pressão no primeiro classificado caso conseguisse arrancar uma vitória frente ao Guimarães e foi isso que os dragões fizeram. Os pupilos de Sérgio Conceição venceram o encontra e estão a quatro pontos do primeiro lugar, com seis jogos por disputar.

No entanto, o treinador dos azuis e brancos teceu duras críticas à arbitragem no final do encontro, afirmando que ficaram três penáltis por marcar contra os dragões. Para Rui Pedro Braz, pelo menos um desses lances é uma grande penalidade e o VAR tinha a obrigação de a marcar.

Não me venham cá com histórias de proteger os árbitros. Nós também somos alvo de críticas quando nos enganamos. Quem erra tem de ser chamado à responsabilidade. Aquilo não é grande penalidade me qualquer parte do mundo?”, questionou.

O comentador disse ainda não ser capaz de entender que o Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol não se pronuncie sobre o assunto e aconselha toda a gente a pôr de lado as suas preferências clubísticas e que “vejam a repetição do lance a preto e branco” com as caras dos jogadores desfocadas.

Falta qualidade e falta competência na vídeoarbitragem em Portugal”, frisou.

No entanto, discorda da crítica feita por Sérgio Conceição e sublinha que, com mais de 15 penalidades marcadas a seu favor, os dragões não têm muitos motivos de queixa sobre a arbitragem.

Benfica volta a vencer

Os encarnados golearam o Portimonense por 5-1 depois de ter estado a perder. Para Rui Pedro Braz, o jogo fica marcado por uma falta de Darwin Núñez no lance do golo que marca a reviravolta dos encarnados.

Com o VAR, não pode passar um lance destes. No momento da repetição deste lance, vê-se claramente o cotovelo de Darwin no rosto de Maurício. Como é evidente, é um lance que tem de ser sancionado com falta. Eu não consigo entender. O VAR cria ainda mais suspeição”, sublinhou.

Redação