Se têm havido várias desistências de patrocinadores de Cristiano Ronaldo, há uma marca de lingerie que vem agora, em sentido contrário, defender o jogador. Depois de ter lançado, há poucas semanas, uma nova campanha a que o português dá a cara, a Yammamay vai mantê-la, apesar desta "história improvável" e perspetiva que este caso se vai "esvaziar" em pouco tempo. 

Estamos em plena campanha, não mudamos o nosso plano de investimentos e vamos continuar com a publicidade que está em curso, e que por sinal está a ir muito bem, porque acreditamos que, nestes casos, há sempre a presunção de inocência". 

Veja também:

O caso da alegada violação de uma norte-americana por Cristiano Ronaldo, em 2009, que a justiça dos EUA está a investigar, está a ter efeitos visíveis nos apoios a Ronaldo. Depois de a Nike dizer estar “extremamente preocupada” e da EA Sport ter retirado o rosto de Cristiano Ronaldo do seu site e do separador do jogo FIFA19, também a Jeep, patrocinador da Juventus, se terá afastado do craque português. A Yamamay é a primeira marca a vir publicamente defender a continuidade do investimento no jogador, que surge em boxers na campanha.

Gianluigi Cimmino, diretor do grupo Ansa, dono da marca de lingerie, disse por telefone ao jornal Corriere dello Sport adiantou que o retorno das vendas dos boxers vestidos por Ronaldo é "muito alto"

Também fez notar que com o movimento #MeToo, que terá encorajado a norte-americana Kathryn Mayorga para denunciar Ronaldo, "aprendemos muitas coisas positivas, mas também muitas negativas".

Certamente, às vezes torna-se num instrumento para aqueles que querem ser o centro das atenções. Dito isso, acho que é eticamente correto que a equipa, as empresas, os patrocinadores e as pessoas que sempre estiveram próximas do campeão continuem próximas dele. Com Cristiano Ronaldo, temos um acordo anual, a campanha começou há algumas semanas e continua a correr bem".

A marca de lingerie "obviamente" está a "acompanhar a evolução" do caso, mas parece-lhe tão "rebuscado", que está "convencida" de que "se esvaziará em pouco tempo". "Cristiano Ronaldo sempre foi um campeão dentro e fora do campo e estamos convencidos de que tudo voltará ao normal", afirmou o mesmo responsável.

A EA Sport retirou o rosto de Cristiano Ronaldo do seu site e do separador do jogo FIFA19 e também a Jeep, patrocinador da Juventus, se terá afastado do craque português, depois das acusações de violação contra o mesmo.

Já a Nike, marca que tem contrato com o jogador português desde 2003 (o último contrato assinado foi em 2016 em termos que garantem ao internacional português arrecadar uma verba próxima dos mil milhões de dólares na vigência do mesmo). Em comunicado, a marca expressou preocupação com os pormenores que surgem no âmbito do processo.

O jogador dá ainda a cara por marcas como Tag Heuer (no valor de um milhão de dólares/ano), Samsung, Herbalife (meio milhão de dólares/ano) e American Tourister (400 milhões de dólares/ano), entre outras, mas estas ainda não se pronunciaram. Já fonte da fundação Save The Children, da qual o jogador é embaixador, disse ao The Independent que a associação de caridade está "destroçada pelas notícias" e que está "a trabalhar para obter mais informação".

Este caso pode custar milhões ao internacional português, que já contratou o advogado das estrelas para o defender.