Pedro Pichardo entrou esta quinta-feira para a história do desporto português. É apenas o quinto a conseguir uma medalha de ouro em Jogos Olímpicos, depois de ter saltado 17.98 metros em Tóquio.

Antigo atleta de Cuba, representa Portugal desde 2018. A partir da capital japonesa agradeceu o carinho e o acolhimento português, mas não esconde a mágoa relacionada com a impossibilidade de voltar a Cuba: "Ainda hoje não posso voltar a Cuba. Há pessoas que não entendem isso”, desabafou.

Deixou a ilha das Caraíbas para poder ser treinado pelo pai, e foi em Portugal que encontrou um novo lar.

Já não sou cubano, faço parte dos cinco portugueses campeões olímpicos. Só quero fazer a minha carreira em paz", disse já depois de conquistar o ouro.

TVI foi até Setúbal, onde Pedro Pichardo faz o seu dia-a-dia fora de competição. Ali, além da família de sangue, o atleta ganhou amigos para a vida, e é já uma das figuras da terra, onde também treina.

Com oito horas de diferença, madrugada adentro em Setúbal, é através da televisão que família e amigos recebem a notícia: a medalha de ouro do triplo salto é portuguesa, e é de Pedro Pichardo.

Estamos muito felizes com este momento. Ele quando saltou, saltou por todos nós", afirma José Pereira, chefe da divisão de Desporto da Câmara Municipal de Setúbal.

Diz quem dele é mais próximo que é reservado e muito focado, uma pessoa simples. A caraterística que melhor o define é a entrega que tem por aquilo que faz.

Mesmo durante a pandemia, em Setúbal teve acesso integral à pista de treino, na qual se preparou para o histórico dia 5 de agosto. No local, tem uma chave com código só para ele, e no ginásio não entra mais ninguém.

O foco está sempre presente, mas também há momentos para descontração: "Eu salto 23 metros", diz Manuel Martins, assistente no complexo municipal.

Vem para aqui saltar", responde-lhe Pedro Pichardo.

Outro dos amigos que fez é o senhor Arménio, o jardineiro que trata do complexo de atletismo de Setúbal, que tira sempre um momento para apreciar a dedicação do atleta.

Como pessoa, como atleta, é espetacular", afirma.

Agora, Pedro Pichardo regressa a Setúbal com dois objetivos em mente: o recorde do mundo de triplo salto, fixado em 18.29 metros, e os Jogos Olímpicos de Paris, que se realizam em 2024.

António Guimarães