Jorge Jesus comentou o episódio do PSG contra o Basaksehir, onde o quarto árbitro da partida terá alegadamente dirigido um insulto racista ao treinador adjunto da equipa turca, considerando que nem sempre é fácil discernir quando há racismo num determinado incidente.

O comentador da TVI, Nuno Dias, considerou que o técnico encarnado tem uma leitura “correta” ao admitir que tenha existido racismo, mesmo desconhecendo a situação ao detalhe. No entanto, teceu duras críticas ao treinador por ter classificado o racismo como “uma moda”.

“A forma de expressar de Jorge Jesus não é clara, é confusa”, frisou. “Jorge Jesus não pode dizer que o racismo é uma moda. Porque não é. É uma frase errada”.

Para o comentador, o treinador Jorge Jesus “esteve bem” na conferência de imprensa, ao contrário “do cidadão Jorge Jesus”, tendo ido “longe demais”, acabando por “ir por caminhos” que acabam por ferir a sua imagem enquanto treinador.

Sobre se Jorge Jesus deveria ser castigado pelas suas palavras, Nuno Dias recordou o caso de Bernardo Silva, que acabou por ser castigado por uma declaração sobre Mendy.

Jorge Jesus quis ir longe demais e acabou por se espalhar ao comprido quando o cidadão Jorge Jesus entrou na conferência”, reparou.