Eduardo Barroso começou a sua intervenção a revelar a mensagem que recebeu de Rúben Amorim, na véspera do jogo que daria o título aos leões, que o “deixou descansado” e confinante na conquista do título.

“A mensagem é simples de dizer: ‘Doutor, durma tranquilo. Somos campeões amanhã’”, revelou o antigo comentador.

Barroso destacou ainda o trabalho feito por Frederico Varandas, presidente dos leões, que considera o verdadeiro obreiro desta conquista, ao lado de Amorim e de Hugo Viana.

Fernando Serrão considera que o técnico leonino teve a vantagem de entrar no Sporting quando o clube “estava de rastos”, no seu ponto mais baixo. Por isso, se o técnico ganhasse qualquer título, seria sempre visto como herói.

“Rúben Amorim entra no Sporting como se fosse o Casa Pia. O clube estava de rastos”, frisou, o comentador afeto ao FC Porto, que acredita que os leões estavam “no seu ponto mais baixo”, quando o técnico chegou.

Fernando Seabra olhou para o “desaire” da época do Benfica, que prometia grandes conquistas, mas acabou sem a classificação direta para a liga dos campeões e os encarnados não foram além do terceiro lugar.

“No princípio acreditei, até ao momento PAOK. O momento PAOK, para mim é o momento da época do Benfica. Porque é o momento em que o plantel milionário ruiu”, explicou.

Redação / JGR