Rui Vitória disse que na parte final em que esteve como treinador à frente do Benfica não se sentiu apoiado pela direção do clube. Declarações feitas pelo antigo técnico dos encarnados no Jornal das 8 da TVI.

Na realidade, nesta parte final, em determinados momentos em que houve uma maior influência vinda do exterior, senti-me de certa forma mais sozinho."

Vitória afirmou que se sentiu "magoado em determinados momentos" e explicou porquê.

"Não saí magoado com o Benfica, saí magoado em determinados momentos porque entendo que devia haver alguma tolerância em relação aquilo que foi feito", sublinhou.

Nesta entrevista, conduzida por Pedro Pinto, o técnico disse que mantém uma "ótima" relação com o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira.

O técnico acredita que o Benfica ainda pode ganhar o campeonato. Sobre Bruno Lage considera que é um treinador que "tem qualidade", mas o importante, frisou, é que erros que foram cometidos consigo não voltem a acontecer.

Penso que tem qualidade, terá de ter a sua oportunidade, terá de ser protegido, agora o trabalho e a sorte e o apoio têm que estar presentes. (...) Mas mais do que ser o Bruno ou nao ser, o importante é que alguns erros que foram cometidos comigo não aconteçam."

Vitória, que ruma agora para a Arábia Saudita onde vai treinar o Al-Nassr, explicou os motivos que o levaram a assinar por este clube.

Este novo projeto acaba por ser uma oportunidade de estar novamente no ativo, de estar a trabalhar, e acima de tudo porque as pessoas tiveram uma enorme vontade que eu fosse representar o Al- Nassr."

"Sou um treinador que irei para qualquer lado, as pessoas queriam que eu abraçasse este projeto e foi feito um esforço" nesse sentido, explicou.

O técnico deixou vários recados para os profissionais que trabalham no futebol português.

O futebol português precisa de pensar muito bem o que quer para o seu futuro. (...) Toda a gente tem que se sentar à mesa e decidir o que quer para o futebol português. (...) Esta dose de ódio tem que parar."