Rúben Amorim foi suspenso pelo Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol, por 15 dias, na sequência da expulsão no jogo frente ao Famalicão.

O treinador do Sporting vai falhar os jogos com Farense, B-SAD e SC Braga, numa altura em que os leões estão apenas com uma diferença de seis pontos para o segundo classificado, FC Porto.

Rui Pedro Braz evidencia que Amorim foi suspenso por 15 dias na mesma jornada em que Miguel Cardoso, treinador do Rio Ave, fez gestos obscenos para o banco adversário e só recebeu oito dias de castigo. Lembrando ainda que vários treinadores portugueses já foram expulsos, com reincidência, e não foram suspensos.

O comentador da TVI concluiu que o castigo aplicado ao treinador está ligado ao caso Palhinha.

Há retaliação? Não sei, mas está tudo ligado. Tudo isto está a atingir uma dimensão grotesca”, refere Rui Pedro Braz.

 

O Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol confirmou, esta terça-feira, que João Palhinha tem seis amarelos para na Liga, contabilizando o cartão visto no Estádio do Bessa.

No entanto, o médio leonino não vai falhar qualquer jogo, para já, devido à uma providência cautelar apresentada no Tribunal Central Administrativo do Sul.

Rui Pedro Braz reitera que a suspensão repentina de Rúben Amorim está ligada ao caso Palhinha.

Há coerência, mas está aqui uma salganhada. (...) A origem deste imbróglio só tem um culpado que é o Sporting. (...) O Conselho de Disciplina sentir-se-á humilhado, envergonhado e ridicularizado e de repente três jogos de suspensão para Rúben Amorim", diz Rui Pedro Braz.

 

No mesmo dia que Rúben Amorim ficou a saber que ia falhar os três próximos jogos, também Miguel Cardoso foi suspenso por oito dias.

O treinador do Rio Ave foi penalizado pelo gesto obsceno que fez durante o jogo frente ao Boavista, na última jornada.

Rui Pedro Braz considera, que quando comparadas uma com a outra, as suspensões levantam algumas questões nos adeptos.

Nuno Mandeiro