Luís Filipe Menezes, Manuel Serrão e Pedro Guerra analisaram esta segunda-feira os casos que marcaram os jogos do Benfica contra o Guimarães e do Sporting contra o Porto, no Prolongamento.

A polémica acerca do lance entre Rúben Dias e Davidson foi o tema principal do programa, onde as opiniões sobre a jogada se dividiram. Para Manuel Serrão, o jogador do Benfica fez falta sobre o jogador do Guimarães, num lance que classificou como “óbvio”.

O comentador revelou ter feito um inquérito com crianças com menos de seis anos de idade, onde todos terão respondido que Rúben Dias fez falta. As crianças que responderam que não se tratava de grande penalidade tiveram que perguntar “o que é um penálti”, ironizou.

Davidson tenta a bicicleta empurrando Rúben Dias”, afirmou Pedro Guerra. Para o comentador afeto ao clube da luz o lance é precedido de “falta do atacante do Guimarães”.

Pedro Guerra admite, no entanto, que “o lance é polémico”, algo que lhe valeu a ironia por parte do comentador do Futebol Clube do Porto.

Devemos parabenizar Pedro Guerra por ‘aceitar a polémica’, devemos todos estar muito gratos ao representante do Benfica”, brincou Manuel Serrão.

O comentador do Porto atacou ainda o VAR, por ser “uma instituição ridícula” que só serve “para receber dinheiro”.

Já com o resultado do Clássico como tema, Luís Filipe Menezes admitiu que o “Sporting teve azar”, apesar de “não haver discussão” sobre o resultado.

Lacunas do Sporting evidenciaram-se num momento decisivo”, afirmou o comentador sportinguista. “O Sporting com Bas Dost teria vencido”.

Já do lado dos dragões, Manuel Serrão garantiu ter gostado mais “do resultado do que da exibição”, afirmando que o Porto ganhou “limpinho”.

/ JR