A greve geral que está a deixar Portugal a meio gás pode ter custos pesados para a economia e para os trabalhadores. De acordo com as contas da TVI, a paralisação pode custar perto de 400 milhões de euros aos cofres do Estado.

Tudo vai depender da adesão à greve. A economia nacional produz 447 milhões de euros por dia, por isso, se a adesão rondar os 40%, por exemplo, a economia perde 179 milhões de euros. Mas se houver quase uma paragem total da economia (adesão de 90%), o custo sobe para os 400 milhões de euros.

Como quem faz greve não ganha o dia de salário, em tempo de crise muitos portugueses preferem ir trabalhar para não perder dinheiro. Em Portugal, o salário médio ronda os 840 euros e um dia de greve significa perder 38 euros no final do mês.

Perde o trabalhador, mas o Estado até pode sair a ganhar. O economista João César das Neves recorda que, no caso da paralisação da função pública, o Estado obtém também uma poupança com despesas de funcionamento, como electricidade, água, etc., que deixam de ser feitas.

Greve geral é notícia internacional

Greve geral: o que mudou desde 1988?

Bancos e hipers a funcionar normalmente

SATA: tudo dentro da normalidade
Redação