Os reformados da CGD e da PT, cujos fundos de pensões foram transferidos para o Estado em 2004 e 2010, vão mesmo sofrer cortes nas suas pensões no próximo ano segundo o Ministério das Finanças.

«Quem está na Caixa Geral de Aposentações tem corte», afirmou à agência Lusa fonte oficial do Ministério das Finanças.

Assim sendo, o regime de excepção aplica-se apenas aos reformados da banca privada, cujo acordo tripartido (Governo, bancos e sindicatos) para a transferência dos fundos de pensões para o Estado foi hoje assinado no Ministério das Finanças.

Estes reformados vão receber 14 pensões anuais independentemente de o Orçamento do Estado para 2012 cortar nas pensões parcial ou totalmente a partir dos 600 euros.
Redação / LF