TVI24

À Flor da Pele: a tristeza

1

O Amor, A Tristeza, A Felicidade, O Medo, A Amizade...de todos temos histórias e vivências.  

Estas são memórias que provocam dor,  infelicidade e tristeza. A Tristeza da solidão de Fernando, que vive só e desempregado. A tristeza da humilhação de Francisco, que em criança foi vítima de bullying. A tristeza da frustração de Fernando, que foi o melhor do mundo, mas fraquejou na maior das provas. A tristeza de Miraldina e do Daniel, que ficaram sem casa. A tristeza de Joaquim, nascida da impotência de não poder alterar o destino. E a maior de todas as tristezas, a da mãe Estrela que perdeu um filho.

 

2
À Flor da Pele: a Tristeza

À Flor da Pele: Tristeza

Reportagem na íntegra

3
À Flor da Pele: Tristeza

Tem a tristeza colada à pele.

Fernando Madeira já fez de tudo na vida mas hoje a vida nada lhe dá para fazer.

Tentou de tudo para conseguir um emprego mas aos 57 anos sente que a sociedade não o quer, não o valoriza.

Vive desencantado por não o considerarem útil e produtivo. Está desempregado há vários anos." É estar vivo por estar vivo e andar cá porque não se morre."

Valem-lhe alguns bons amigos. São eles que o ajudam a sobreviver.

Já não sonha, não faz planos para o futuro.

Desistiu.

4
À Flor da Pele: Tristeza

Caixa-de -óculos. Feio. Cheiras mal. Gordo.

As palavras tem um peso e estas sempre lhe pesaram na alma.

Sabe de cor o nome de cada um dos agressores. Porque foi assim durante anos.

Os nomes que lhe chamavam, as humilhações, continua tudo gravado na memória.

Francisco Cardoso, 21 anos, tentou enfrentar o bullying com um sorriso na cara. Nunca se deixou tomar pelo medo, foi a tristeza que o invadiu.

"É uma cicatriz que não fecha por completo. Não se deixem ficar. Ninguém é mais que ninguém."

5
À Flor da Pele: Tristeza

27 de junho de 1993.

20 horas e 45 minutos. O telefone toca. Do outro lado, um militar da GNR a comunicar um acidente de viação.

E a vida mudou para sempre.

Estrela Afonso teve logo essa consciência. 

Sentiu, naquele momento, que lhe arrancaram algo, para sempre.

João Mário (o filho) e 3 amigos perderam a vida nesse acidente, a caminho de Lisboa.

Era o mais velho de 3 irmãos, tinha 22 anos.

"A dor da perda de um filho não tem limites".

E foi ao amor das filhas que se agarrou para ultrapassar esta dor e a tristeza.

A família, os amigos foram fundamentais. Na pintura encontrou uma terapia, que ainda hoje a ajuda.

Aos poucos foi-se habituando a viver...sem ele.

6
À Flor da Pele: Tristeza

Bateu recordes do mundo, chegou a ser considerado o melhor entre os melhores.

Numa carreira com altos e baixos, relembra os Jogos Olímpicos de Los Angeles, em 1984.

Portugal mobilizou-se para ver a corrida do homem que detinha o recorde do Mundo dos 10 000 metros.

Era o principal favorito mas não aguentou a pressão.

"Tentei falar comigo próprio mas a força negativa que tinha dentro de mim foi mais forte!"

Fernando Mamede abandonou a prova a meio. Milhares de portugueses não lhe perdoaram. Apontaram-lhe o dedo, chegou a ter a polícia a guardar-lhe a porta.

O falhanço, a ideia de que tinha arruinado a carreira, as tristezas de um atleta num relato na primeira pessoa.

7
À Flor da Pele: Tristeza

"Está fria, escura. As paredes estão pretas. Tem muita sombra. Perdeu o brilho que tinha. Era pouco, mas era nosso".

É assim que está a casa de Daniel Baptista e Miraldina Baptista, na Praia da Vieira, Marinha Grande.

Aquela que Daniel ajudou a contruir desde os 13 anos, quando entregava aos pais o dinheiro que fazia a trabalhar como padeiro.

Era domingo. Nas notícias ouviram que havia um incêndio em Pataias.

Nunca pensaram que lhes batesse à porta.

Em apenas 2 horas a vida mudou. As chamas tomaram conta da casa que demorou tantos anos a construir.

Miraldina só voltou a casa no dia seguinte. E não a reconheceu naquelas paredes.

8
À Flor da Pele: Tristeza

A vida é feita de sonhos, para nós e para os nossos. Queremos que sejam os melhores e que tenham o melhor do mundo. Imaginamos profissões, carreiras e um mundo de projetos a concretizar.

E quando a vida nos troca as voltas somos invadidos pela mágoa, pela tristeza e por alguma revolta por nos ter acontecido a nós.

Foi assim com Joaquim Brites.

Desconforto, cãibras nas pernas, dores musculares, o alerta partiu do professor de educação física da pré-primária.

O diagnóstico chegou algum tempo depois:  Distrofia Muscular de Duchenne, uma doença rara que transforma o músculo numa massa sem elasticidade.

Zé, agora com 26 anos, sente no corpo essa perda progressiva de massa muscular, causada pela ausência de uma proteína.

"É único, criativo, culto, muito interessado pelas coisas banais da vida". Os olhos brilham quando o pai fala do filho, agora engenheiro informático.

Ao longo dos anos soube fintar a tristeza. Como?  Recusou-se a mergulhar nela, criando momentos de alegria e contagiando quem está à sua volta.

Isabel Moiçó