O presidente da Entidade Reguladora para a Comunicação Social, Carlos Magno, alertou esta quinta-feira para o risco de Portugal deixar de ter jornais em papel dentro de alguns meses.

«A imprensa portuguesa corre sérios riscos, estamos num momento de grande revolução tecnológica e de grandes emigrações», disse à margem da conferência Motores de busca - O seu a seu dono, organizada pela Confederação Portuguesa dos Meios de Comunicação Social.

«Corremos o risco de não ter jornais impressos, em papel, dentro de alguns meses em Portugal», reiterou.

Para Carlos Magno, «há problemas sérios no setor gráfico em Portugal», em parte ligados à utilização de conteúdos jornalísticos na Internet sem remuneração, o que coloca em causa o futuro da indústria do jornalismo, «que é preciso salvaguardar».

Não tendo o regulador uma posição definida, o presidente do mesmo decidiu «tentar provocar um debate» com os colegas sobre o assunto.