A Linha de Apoio à Economia Covid-19 recebeu mais de 43 mil candidaturas, tendo já sido alargada para 6,2 mil milhões de euros e a todos os setores de atividade, anunciou hoje a SPGM – Sociedade de Investimento. A entidade não confirma, para já, se este limite da 6,2 mil milhões de euros já foi esgotados com a TVI24 tentou apurar e entidades com a CIP já deram nota.

Veja também: Empresas que querem renovar lay-off só têm 8 dias para começar a trabalhar

Apesar desta linha estar em vigor desde o dia 30 de março, mais de 94% das candidaturas foram apresentadas pelas Instituições de Crédito ao Sistema de Garantia Mútua, após o dia 16 de abril”, esclarece a entidade coordenadora do Sistema Português de Garantia Mútua (SPGM) e gestora da Linha de Apoio à Economia covid-19.

Até agora, as candidaturas aprovadas correspondem a um valor de 4,3 mil milhões de euros, ou seja, 70% da dotação total da linha de apoio disponibilizada.

Das mais de 43 mil candidaturas recebidas, a sociedade de investimento destaca que 84% correspondem a micro ou pequenas empresas, tendo já sido aprovados cerca de 80% dos pedidos feitos por empresas de menor dimensão e com maiores necessidades de liquidez no curto prazo.

Só nas últimas duas semanas, diz, a procura registada e o volume de candidaturas apresentadas à Linha de Apoio à Economia Covid-19 corresponderam a cerca do dobro do número total das garantias emitidas pela SPGM em todo o ano de 2019.

Quanto ao prazo médio de decisão para aprovação ou não das candidaturas, a sociedade indica que foi de quatro dias úteis após receção do formulário “devidamente preenchido pela Instituição de Crédito e com todos os elementos necessários à análise de risco para efeitos da obtenção da garantia”.

Depois da receção eletrónica dos contratos formalizados entre o banco e a empresa, em média, a contratação das operações de garantia pelas Sociedades de Garantia Mútua tem um prazo de concretização de um dia útil, após o qual a instituição de crédito pode disponibilizar os fundos à empresa”, acrescenta.

As linhas específicas de “Apoio a Agências de Viagem, Animação Turística, Organizadores de Eventos e Similares” e de “Apoio à Atividade Económica” foram entretanto encerradas, por terem atingido o montante máximo definido para as mesmas.

De momento, continuam disponíveis e a aceitar candidaturas, as linhas de “Apoio a Empresas da Restauração e similares” e de “Apoio a Empresas do Turismo”, informa a SPGM.

O “Grande Confinamento” levou o Fundo Monetário Internacional (FMI) a fazer previsões sem precedentes nos seus quase 75 anos: a economia mundial poderá cair 3% em 2020, arrastada por uma contração de 5,9% nos Estados Unidos, de 7,5% na zona euro e de 5,2% no Japão.

Para Portugal, o FMI prevê uma recessão de 8% e uma taxa de desemprego de 13,9% em 2020.

 
/ Publicado por ALM