O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, afirmou esta quarta-feira, no parlamento, que a TAP está a abandonar encomendas que já estavam feitas e a "negociar a devolução de alguns aviões".

Não estamos a receber nenhum avião novo, antes pelo contrário, nós abandonámos as encomendas que já estavam feitas e estamos a negociar a devolução de alguns aviões", afirmou o governante no parlamento, quando questionado pelo deputado do PSD Cristóvão Norte sobre a TAP continuava a receber aviões.

Pedro Nuno Santos está a falar na audição conjunta das comissões parlamentares de Orçamento e Finanças e da Economia, Inovação, Obras Públicas, no âmbito da apreciação, na especialidade, da proposta do Orçamento do Estado para 2021 (OE2021).

Posteriormente, o ministro referiu que a TAP recebeu um avião que já estava pago, já há alguns meses, mas reiterou que "a empresa está a reduzir a frota".

Primeira fase do plano de reestuturação da companhia "está feita"

O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, disse, ainda, que "a primeira fase" do plano de reestruturação da TAP "está feita" e que as negociações com os sindicatos vão arrancar "desde já". 

A primeira fase do plano de reestruturação está feita, o que nos permite iniciar a negociação com os sindicatos. Esse trabalho vai iniciar-se desde já", indicou

Em resposta à deputada Isabel Pires do Bloco de Esquerda, o ministro disse que, "neste momento, estão já a ser marcadas reuniões com os sindicatos para discussão da reestruturação" da companhia aérea.

Pedro Nuno Santos sublinhou que o plano de reestruturação "vai ser exigente" e "muito difícil" porque de outra maneira os portugueses não iriam entender a injeção de dinheiros públicos que está a ser feita.

Temos uma companhia aérea que está sobredimensionada para a realidade atual e temos de conseguir um processo restruturação que garanta que a companhia aérea vai ser viável e sustentável", defendeu Pedro Nuno Santos. 

"Não podemos manter artificialmente uma dimensão que não tem neste momento procura prevista", acrescentou o ministro.

Perante os deputados, o ministro reafirmou ainda que a TAP vai necessitar de utilizar a totalidade dos 1.200 milhões de euros do empréstimo do Estado até ao final do ano.

Em 15 de outubro, Pedro Nuno Santos anunciou no Parlamento que iriam sair 1.600 trabalhadores do grupo TAP até ao final do ano, tendo já saído 1.200 colaboradores.

O governante, em audição na Comissão de Economia, Inovação, Obras Públicas e Habitação, desmentiu dados apresentados pelo Bloco de Esquerda, que apontou a saída de 1.500 tripulantes da TAP, referindo que isso seria 80% da força laboral e garantindo que os 1.600 trabalhadores que irão sair são de todo o grupo e não apenas da companhia aérea.

O ministro recordou então que o prazo para apresentar o plano de reestruturação acaba em 10 de dezembro.

/ CM