O advogado do Sindicato Nacional de Mercadorias de Matérias Perigosas (SNMMP) disse aguardar "com tranquilidade" o resultado da providência cautelar que cinco empresas estão a preparar para pedir a ilegalidade do pré-aviso de greve.

Custa-me muito a acreditar que qualquer tribunal fosse decretar uma providência cautelar contra aquilo que está na Constituição, mas aguardamos com tranquilidade para ver o resultado", disse à SIC o advogado e porta-voz do sindicato, Pedro Pardal Henriques.

Segundo Pardal Henriques, "nunca existiu em Portugal uma providência cautelar para bloquear um direito à greve, como também nunca existiu, por exemplo, um Governo dizer que vai utilizar as Forças Armadas para bloquear um direito à greve".

Fazer uma providência cautelar para evitar um direito constitucional do exercício do direito à greve parece-me mais uma vez uma manifestação de força, de supremacia ou de autoridade para bloquear os direitos dos trabalhadores", afirmou ainda o assessor jurídico do SNMMP.

Cinco transportadoras vão dar entrada na quarta-feira com uma providência cautelar a pedir a ilegalidade do pré-aviso de greve dos motoristas, disse o advogado Carlos Barroso à Lusa, do escritório que representa essas empresas.