Os trabalhadores da CP – Comboios de Portugal, da Infraestruturas de Portugal (IP) e empresas filiadas voltam a estar em greve no dia 25 de junho pelo aumento geral dos salários, anunciaram as estruturas sindicais.

A greve foi convocada pelo Sindicato Nacional dos Trabalhadores do Setor Ferroviário (SNTSF) e pela Federação dos Sindicatos dos Transportes e Comunicações (Fectrans).

O pré-aviso de greve abrange os trabalhadores da CP, da IP e das suas empresas filiadas (IP Telecom, IP Património e IP Engenharia), de acordo com um comunicado.

Segundo o SNTSF e a Fectrans, as orientações do Governo para as empresas do setor “são de contenção e congelamento dos salários”, pelo que defendem que “há razão para que a luta na IP e empresas aliadas, seja coincidente com a da CP, que têm ambas a mesma tutela governamental”.

Os trabalhadores destas empresas querem ver valorizados os seus salários que, cada vez mais, se aproximam do salário mínimo nacional e porque é uma reivindicação de todos, entendemos que é necessário que a luta seja, cada vez mais, abrangente e com trabalhadores de todas as categorias e profissões” afirmam as estruturas sindicais.

Esta nova paralisação marcada para dia 15 segue-se à greve dos trabalhadores da IP que se realizou em 02 de junho e que provocou perturbações significativas na circulação de comboios.

Greve cancela dois terços dos comboios previstos pela CP

A CP realizou 284 das 979 ligações ferroviárias que tinha programadas até às 18:00 de terça-feira, devido ao impacto da greve dos revisores e trabalhadores de bilheteiras, segundo fonte oficial da empresa.

De acordo com a mesma fonte, dos 284 comboios que circularam, 242 realizam-se no âmbito dos serviços mínimos definidos.

Os trabalhadores das bilheteiras e revisores da CP cumprem esta terça o terceiro e último dia de greve em protesto contra a proposta de regulamento de carreiras e por aumentos salariais e o cumprimento do acordo de empresa.

Estes trabalhadores da CP iniciaram no domingo uma greve nacional de três dias em protesto contra a proposta de regulamento de carreiras apresentada pela empresa, que dizem prever "um aumento da polivalência de funções" e a "junção e extinção de categorias profissionais", considerando que tal "vai pôr em causa postos de trabalho presentes e futuros".

Reclamam igualmente a "melhoria do salário base, que atualmente está no limiar do salário mínimo nacional", e a "reposição das perdas salariais sofridas pelos ferroviários operacionais que foram contagiados pela pandemia provocada pela covid-19, bem como pelos que tiveram de cumprir confinamento profilático por estarem em contacto com colegas infetados".

A CP alertou que durante os três dias de greve, convocada pelo Sindicato Ferroviário da Revisão Comercial Itinerante (SFRCI), podiam ocorrer "fortes perturbações na circulação de comboios a nível nacional".

O SFRCI acusa a CP de "violação do acordo de empresa em vigor" e exige a "aplicação do acordo assinado com o Ministério das Infraestruturas em 2018, relativo à certificação do agente de acompanhamento".

A "manutenção dos níveis segurança ferroviária" é outra das reivindicações feitas, com o sindicato a considerar que estes "estão a ser colocados em causa pela CP e pelas alterações impostas pelo IMT [Instituto da Mobilidade e dos Transportes] aos regulamentos gerais de segurança, cujo objetivo é servir as empresas privadas que reduzem postos de trabalho e custos com segurança ferroviária".

A greve visa ainda condenar o "abuso do poder disciplinar" que os trabalhadores dizem vigorar na CP.

De acordo com o dirigente do SFRCI António Lemos, são abrangidos pelo pré-aviso de greve "800 a 1.000 trabalhadores" das carreiras comercial e de transportes da CP.

A CP informou que quem tiver bilhetes para viajar em comboios dos serviços Alfa Pendular, Intercidades, Internacional, InterRegional e Regional, poderá solicitar o reembolso do valor total do bilhete adquirido ou a sua revalidação, sem custos.

. / HCL - atualizada às 20:23