O Livro de Reclamações Eletrónico recebeu mais de 80 mil queixas nos primeiros 18 meses de existência. Mais de 68% são reclamações sobre o setor das comunicações, noticia o Público.

Desde que entrou em vigor a 1 de julho de 2017 e até 31 de dezembro do ano passado, quase 55 mil queixas foram contra as comunicações eletrónicas e por via postal. a energia e o gás foram responsáveis por 18 mil reclamações, e, logo depois, as águas e resíduos, com mais de 2.500 participações.

O Livro de Reclamações Eletrónico abrange os serviços públicos ditos essenciais: eletricidade, gás natural, água e resíduos, comunicações eletrónicas e postais, o turismo, a venda a retalho e em dezembro passou a integrar os transportes aéreos.

A partir do dia 1 de janeiro deste ano o livro eletrónico passou a receber, também, sugestões e elogios ao funcionamento dos serviços.

/ ALM