No ano de 2020, a taxa de desemprego foi, em média, de 6,8%, tendo aumentado 0,3 pontos percentuais (p.p) relativamente a 2019, abaixo da previsão do Governo para o conjunto do ano, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), divulgados nesta quarta-feira.

No último trimestre do ano, a taxa de desemprego foi de 7,1%, menos 0,7 pontos percentuais face ao trimestre anterior e mais 0,4 pontos percentuais face ao período homólogo.

Algarve, Madeira e Lisboa superam média nacional

As taxas de desemprego no Algarve, Madeira e Área Metropolitana de Lisboa superaram a média nacional para o conjunto de 2020.

De acordo com as Estatísticas do Emprego, em 2020, a taxa de desemprego da região Norte igualou a média nacional (6,8%), enquanto as taxas do Algarve (8,3%), da Região Autónoma da Madeira (7,9%) e da Área Metropolitana de Lisboa (7,7%) ficaram acima daquele limiar.

Abaixo da média ficaram as taxas das restantes regiões: a Região Autónoma dos Açores com 6,1%, o Alentejo com 5,9% e o Centro com 5,6%.

A população desempregada, estimada em 373,2 mil pessoas, diminuiu 7,7% (30,9 mil) em relação ao trimestre anterior e aumentou 5,9% (20,8 mil) relativamente ao 4.º trimestre de 2019.

Já o número de trabalhadores empregados - 4.859,5 mil pessoas - aumentou 1,2% (59,6 mil) por comparação com o trimestre anterior, mas diminuiu 1,0% (48,1 mil) em relação ao homólogo.

A taxa de desemprego de jovens (15 a 24 anos) situou-se em 22,6%, 4,3 p.p. acima do estimado para o ano anterior, enquanto a proporção de desempregados de longa duração foi estimada em 39,5%, menos 10,3 p.p. do que em 2019, o que correspondeu ao decréscimo mais elevado da série de dados.

Taxa de inflação homóloga aumenta para 0,3% em janeiro

A variação homóloga do Índice de Preços no Consumidor (IPC) foi de 0,3% em janeiro, 0,5 pontos percentuais acima do mês anterior e em linha com a estimativa rápida avançada.

Segundo o INE, o indicador de inflação subjacente (índice total excluindo produtos alimentares não transformados e energéticos) registou uma variação homóloga de 0,6%, taxa superior em 0,7 pontos percentuais à registada em dezembro de 2020.

O agregado relativo aos produtos alimentares não transformados registou uma variação homóloga de 1,7% em janeiro (2,6% no mês precedente), enquanto o índice referente aos produtos energéticos apresentou uma taxa de variação de -4,4% (-4,9% no mês anterior).

Por classes de despesa e face ao mês precedente, o INE destaca o aumento das taxas de variação homóloga das classes do ‘vestuário e calçado’ e do ‘lazer, recreação e cultura’, com variações de -1,5% e -0,5%, respetivamente (-4,4% e -2,1% no mês anterior).

Em sentido oposto, assinala a diminuição da taxa de variação homóloga da classe dos ‘bens alimentares e bebidas não alcoólicas e das ‘bebidas alcoólicas e tabaco’, ambas com uma variação de 1,0%, (1,5% e 1,4%, respetivamente, no mês anterior).

Nas classes com contribuições positivas para a variação homóloga do IPC destacam-se os ‘bens alimentares e bebidas não alcoólicas’, ‘saúde’, ‘bens e serviços diversos’ e ‘vestuário e calçado’, enquanto nas classes com contribuições negativas salientam-se os ‘transportes’.

Comparando com o mês precedente, são de destacar os aumentos das contribuições para a variação homóloga do IPC das classes do ‘vestuário e calçado’ e do ‘lazer, recreação e cultura’.

Em sentido contrário, sublinha-se a redução da contribuição da classe dos ‘bens alimentares e bebidas não alcoólicas’.

Em termos mensais, o IPC apresentou uma variação de -0,3% em janeiro (-0,1% no mês anterior e -0,8% em janeiro de 2020).

Já a variação média dos últimos 12 meses foi -0,1% (nula em dezembro).

O Índice Harmonizado de Preços no Consumidor (IHPC) português registou variação homóloga de 0,2%, taxa superior em 0,5 pontos percentuais à do mês anterior e inferior em 0,7 pontos percentuais ao valor estimado pelo Eurostat para a área do Euro (em dezembro de 2020, a variação do IHPC português tinha sido idêntica à da área do Euro).

A variação mensal do IHPC foi de -0,3% (-0,1% no mês anterior e -0,8% em janeiro de 2020) e a variação média dos últimos 12 meses foi de -0,2% (-0,1% no mês precedente).

Vasco Rosendo / Notícia atualizada às 12:44