O governo venezuelano anunciou hoje a suspensão por 90 dias das operações no país da companhia aérea portuguesa TAP, “por razões de segurança”, após acusações de transporte de explosivos num voo oriundo de Lisboa.

Devido às graves irregularidades cometidas no voo TP173, e em conformidade com os regulamentos nacionais da aviação civil, as operações da companhia aérea TAP ficam suspensas por 90 dias”, disse o ministro dos Transportes da Venezuela, Hipólito Abreu, no Twitter.

 

A TAP diz que “não compreende” a suspensão que lhe foi aplicada e garante que esta é uma “medida gravosa”, que prejudica os passageiros, adiantou fonte oficial da empresa à Lusa.

A TAP não compreende as razões desta suspensão da operação para a Venezuela por 90 dias, uma vez que cumpre todos os requisitos legais e de segurança exigidos pelas autoridades de ambos os países”, salienta a fonte.

“Trata-se de uma medida gravosa que prejudica os nossos passageiros, não tendo a companhia sequer tido hipótese de exercer o contraditório”, acrescenta a fonte oficial da companhia aérea.

A decisão recebida com alguma incredulidade por portugueses radicados na Venezuela, que admitem que a comunidade portuguesa será a mais afetada.

É uma decisão desagradável, que afeta sobretudo a comunidade portuguesa", disse à Lusa Fernando Campos, conselheiro das comunidades portuguesas, que não se mostrou surpreendido, mas explicou que "não está de acordo" com a decisão, porque não lhe encontra fundamento.

Vários empresários, questionados pela Lusa sobre a suspensão dos voos, reagiram com "incredulidade", chegando mesmo alguns a pensar tratar-se "de um rumor das redes sociais".

A TAP voa para Caracas duas vezes por semana, à terça e quarta-feira, e diversos agentes de viagem confirmaram à Lusa que, de momento, o voo previsto para terça-feira continua a aparecer no sistema.

Na semana passada, o governo venezuelano acusou a TAP de ter violado “padrões internacionais”, por alegadamente ter permitido o transporte de explosivos e por ter ocultado a identidade do líder da oposição venezuelana, Juan Guaidó, num voo para Caracas.

Segundo o governo venezuelano, Juan Marquez, tio de Guaidó que acompanhava o sobrinho nesse voo, transportou “lanternas de bolso táticas” que escondiam “substâncias químicas explosivas no compartimento da bateria”.

Assim, as autoridades venezuelanas consideram que a TAP, nesse voo entre Lisboa e Caracas, violou normas de segurança internacionais, permitindo explosivos, e também ocultou a identidade do autoproclamado Presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, na lista de passageiros, embora a segurança aeroportuária não seja da responsabilidade das companhias transportadoras.

O Governo português já pediu um inquérito para averiguar a veracidade das acusações que envolvem a transportadora aérea portuguesa, dizendo não ter qualquer indício de irregularidades no voo que transportou Marquez e Guaidó.

/ SS - atualizada às 20:04