Os partidos mais à direita voltaram hoje à carga sobre o banco público. Nas declarações que antecedem a votação global do Orçamento para o próximo ano, CDS-PP e PSD voltaram a pedir explicações ao Governo.

Para o deputado do PSD, António Leitão Amaro, o "país está às escuras" sobre o plano para a Caixa Geral de Depósitos (CGD). O maior partido da oposição continua a dizer que o Executivo não explicou a razão do montante da recapitalização. "Porquê e em que termos", questiona Leitão Amaro.

"Porque têm que pagar aquele montante e não outro?", acentua o deputado do PSD

Antes João Almeida, do CDS-PP, tinha dito que o seu partido defende "um banco público", acima de tudo, mas querem saber porque razão o Governo tem este plano e não qualquer outro.

À esquerda, que apoia o Governo, responderam logo, pelo Bloco, Mariana Mortágua, para dizer que o seu partido é, sobretudo, a favor da "transparência" e Miguel Tiago do Partiido Comunista. Na resposta disse não se lembrar de Leitão Amaro ter tantas dúvidas quando se falou do Banif e do BES - hoje parte é Novo Banco.

O Parlamento deverá aprovar hoje, em votação final global, a proposta do Orçamento do Estado para 2017 (OE2017) com os votos favoráveis do PS, do PCP, do BE, do PEV e do PAN.

A proposta de OE2017 foi aprovada na generalidade a 4 de novembro com os votos favoráveis do PS, do Bloco de Esquerda (BE), do PCP e Partido Ecologista 'Os Verdes' (PEV), a abstenção do partido Pessoas, Animais e Natureza (PAN) e com votos contra de PSD e CDS-PP.

Agora, na votação final global, a tendência de voto deverá ser semelhante, à exceção do PAN, que se juntou ao PS, PCP, BE e PEV e anunciou o voto favorável ao documento.

Redação / ALM