«Estamos a pedir duas coisas aos acionistas: que removam os limites aos direitos de voto, o que permitirá a obtenção de sinergias, e que vendam - ou mantenham - as ações, condicionando a que consigamos mais cerca de 6% de capital para ter a maioria, de forma a levar a OPA por diante», afirmou ao Expresso.




«O nosso objetivo é reduzir o rácio 'cost to income' [eficiência] do BPI em Portugal dos atuais 85% para 50% em três anos», revelou.