A procura do Metro do Porto cresceu mais de 10% entre a segunda e terceira semana de setembro, nomeadamente devido ao início do ano letivo, divulgou esta segunda-feira fonte da empresa.

Em resposta à agência Lusa, fonte da Metro do Porto assegurou que, apesar dos dados serem ainda “preliminares”, indicam um “crescimento da procura superior a 10%”.  

Ainda que o “crescimento da procura não tenha sido significativo” entre os diferentes dias da primeira semana de aulas e que as condições meteorológicas tenham tido alguma influência, em comparação com a segunda semana de setembro, os números “foram superiores”.

Segundo a empresa, em termos de operação, lotação e cumprimento das normas de segurança e higiene, “tudo correu dentro da normalidade na primeira semana de aulas”.

No dia 09 de setembro, a empresa anunciou um reforço da oferta e a aplicação de medidas adequadas à proteção da saúde pública a partir de dia 14, data do início do ano letivo.

Em comunicado, a empresa referiu que entre as 06:00 e as 20:00 dos dias úteis todas as viagens em todas as linhas da rede passam a ser em veículos duplos, aumentando a capacidade e o espaço para os clientes.

Assim, a Linha Amarela tem, nas horas de ponta da manhã e da tarde, 10 veículos/hora, o que equivale a uma frequência de seis minutos. As linhas Azul e Laranja, também nas horas de ponta, terão frequências de 12 minutos, sempre em veículos duplos.

O uso de máscara de proteção individual e a procura da distância de segurança é a regra, tanto dentro dos veículos como no interior das estações.

De acordo com a Metro do Porto, a desinfeção dos veículos, das superfícies das estações e das lojas Andante continua a ser feita com a solução Zoono (comprovadamente eficaz na eliminação do vírus).

Em toda a rede, foi reforçada a presença de piquetes de limpeza para acorrer a necessidades de intervenção rápida.

Paralelamente, a Metro do Porto tem em curso a adaptação de mais 15 veículos da sua frota ao 'layout' com assentos laterais - a somar aos sete que já têm esta configuração -, o que se traduz num acréscimo de 10% da capacidade (mantendo o distanciamento social).

Em março, no início da pandemia de covid-19 em Portugal, o número de passageiros no Metro do Porto desceu cerca de 80% devido à Covid-19, passando de uma média de 270 mil clientes diários em janeiro e fevereiro para pouco mais de 50 mil.

O Metro do Porto opera atualmente em sete concelhos da Área Metropolitana do Porto através de uma rede de seis linhas, 67 quilómetros e 82 estações, tendo em 2019 ultrapassado os 71 milhões de clientes, de acordo com dados da empresa.

/ HCL