A Uber vai investir dois milhões de euros em parcerias com a Prevenção Rodoviária Portuguesa, o Automóvel Clube de Portugal e a escola de condução Segurança Máxima para formação dos seus motoristas, anunciou hoje a plataforma eletrónica de transporte.

“O investimento da Uber nestas parcerias poderá atingir os dois milhões de euros, tendo como objetivo o acesso dos motoristas a formação de qualidade”, adianta a empresa em comunicado, salientando que “vai colaborar com estes centros no desenvolvimento de um programa de excelência com profissionais de referência”.

Com a entrada em vigor, no passado dia 1 de novembro, da lei que regulamenta o transporte em veículos descaracterizados (TVDE), os motoristas das plataformas eletrónicas de transporte, como a Uber ou a Cabify, vão ter de completar uma nova formação para se poderem registar no Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT).

Os motoristas terão de completar a sua formação e submeter a nova licença de motorista TVDE até 28 de fevereiro de 2019.

De acordo com a nova lei, esta formação (com número de horas ainda por definir) será válida por cinco anos e terá módulos específicos sobre comunicação e relações interpessoais, entre outros aspetos.

Os motoristas das plataformas eletrónicas de transporte vão ter ainda de fazer um curso de formação inicial de 50 horas, com componente prática e teórica, segundo uma portaria publicada quarta-feira em Diário da República.

Estamos muito satisfeitos em estabelecer parcerias com três das melhores entidades de formação rodoviária no país. O principal impacto destas parcerias será na comunidade de mais de 6.500 motoristas em Portugal, que vai poder optar por ter acesso de forma conveniente a um programa de formação em condições vantajosas”, refere fonte oficial da Uber, citada no comunicado.

Em Portugal desde julho de 2014, a Uber opera nas áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto e nas regiões do Algarve, Braga e Guimarães, afirmando estar presente em “18 das 20 maiores cidades” do país.

No comunicado, a plataforma diz cobrir já “mais de 53% da população portuguesa”, o que representa “a maior cobertura do serviço no sul da Europa”, e avança que, desde que chegou a Portugal, “já foram realizados mais de 1,8 milhões de ‘downloads’ da aplicação”.