Cerca de 9,9 mil milhões de euros foram tributados, em 2018, no setor automóvel em Portugal, em impostos sobre vendas de carros e outros, não sendo este, ainda assim, dos países da União Europeia que mais arrecada.

Os dados foram, esta quarta-feira, divulgados pela Associação Europeia de Fabricantes de Automóveis (ACEA), que representa 15 dos principais fabricantes europeus de carros (como o grupo BMW, CNH Industrial, DAF Trucks, Daimler, Fiat, Ford, Honda, Hyundai, Jaguar Land Rover, grupo PSA, Renault, Toyota, Volkswagen e Volvo Cars e grupo Volvo).

Os números são referentes aos 14 países da União Europeia (UE) onde estas empresas atuam e revelam que, no ano passado, Portugal arrecadou 9,9 mil milhões de euros com impostos no setor automóvel, grande parte (4,2 mil milhões de euros) dos quais com o Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) sobre a venda, manutenção, reparação e peças de veículos.

Acrescem outros impostos sobre combustíveis e lubrificantes (3,2 mil milhões de euros), vendas e registos (800 mil euros), impostos anuais de propriedade (600 mil euros), entre outros (1,1 mil milhões de euros).

Ainda assim, nesta lista de 14 países, Portugal fica em nono lugar quanto ao total de impostos arrecadados.

A liderar a lista está:

  • Alemanha - 92 mil milhões de euros
  • França - 79 mil milhões de euros
  • Itália - 74,4 mil milhões de euros
  • Reino Unido - 56,3 mil milhões de euros
  • Espanha - 28,1 mil milhões
  • Holanda - 20,3 mil milhões
  • Bélgica - 19,6 mil milhões
  • Áustria - 13,3 mil milhões

Atrás de Portugal ficam:

  • Suécia - 8,6 mil milhões
  • Finlândia - 8,3 mil milhões
  • Dinamarca - 6,7 mil milhões
  • Grécia - 5,7 mil milhões
  • Irlanda - 5,4 mil milhões

Ao todo, sobre o setor automóvel nestes 14 países recaem mais de 400 mil milhões de euros em impostos por ano, de acordo com os dados da ACEA, associação sediada em Bruxelas.

Os números foram divulgados a propósito da publicação de um guia fiscal para este ano sobre o setor.