António Leitão Amaro, deputado do PSD, diz que a proposta de Orçamento do Estado para 2017 tem vários erros e estagna o país. Mais impostos é uma das grandes críticas do PSD.

"Mais e mais impostos", diz Leitão Amaro, referindo-se, entre outros, ao imposto sobre o património. Sobretudo sobre os combustíveis, sobre os quais o social-democrata, acusa o Executivo de estar a esconder dos portugueses o fato de ele irem ser "agravados para a maioria dos portugueses".

Mas o social-democrata vai mais longe e diz que a "austeridade temporária é permanente",  ao contrário do que o Governo PS tinha prometido. E acrescenta que agrava a desigualdades sociais.

Na resposta ao deputado do PSD, Centeno disse perceber que Leitão Amaro não entendesse álgebra "mas um dia vai lá chegar”. E voltou a reforçar o que tinha referido na explanação inicial, que " o país está a acelerar o seu crescimento económico" saindo "da profunda estagnação em que foi mergulhado na última metade de 2015”.

Já a intervenção socialista, do deputado João Galamba, também foi centrada na resposta ao PSD e nas acusações aos dois partidos que constituíram o anterior Governo. Galamba acusou de hipócritas as críticas ao fim contribuições sobre as pensões mais elevadas, quando este também era o plano do Executivo de Passos Coelho, que, garante, queria ainda manter cortes nas pensões mais baixas e outras prestações sociais.

Alda Martins / (Atualizada às 17:12)