O Fundo de Recuperação da União Europeia (UE) para responder à crise causada pela Covid-19 prevê a distribuição de 750 mil milhões de euros por “três pilares”, incluindo reformas, investimento privado e saúde, segundo a proposta hoje divulgada.

Em causa está o Fundo de Recuperação proposto pela Comissão Europeia, num total de 750 mil milhões de euros, dos quais 500 mil milhões de euros serão canalizados para os Estados-membros através de subsídios a fundo perdido e os restantes 250 mil milhões na forma de empréstimos.

De acordo com a informação divulgada pelo executivo comunitário, “o dinheiro arrecadado para a Próxima Geração da UE [nome atribuído a este fundo] será investido em três pilares”, desde logo no “apoio aos Estados-membros com investimentos e reformas”.

Neste pilar está incluído um novo Mecanismo de Recuperação e Resiliência de 560 mil milhões de euros (310 mil milhões de euros em subsídios e 250 mil milhões de euros em empréstimos), integrado no Semestre Europeu, que visa fomentar “investimentos e reformas, nomeadamente em relação às transições verdes e digitais e à resiliência das economias nacionais, ligando-as às prioridades da UE”.

Inclui também verbas adicionais para políticas como as de Coesão (complemento de 55 mil milhões de euros dos atuais programas até 2022, ao abrigo da nova iniciativa REACT-UE para fazer face aos impactos socioeconómicos da crise), o Fundo de Transição Justa (com reforço de até 40 mil milhões de euros para acelerar a transição para a neutralidade climática) e a Agricultura (com mobilização de mais 15 mil milhões de euros para o Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural).

O segundo pilar do Fundo de Recuperação centra-se no “incentivo ao investimento privado”, abrangendo nomeadamente um novo instrumento público-privado de apoio à solvência, que Bruxelas quer ter operacional ainda este ano e com um orçamento de 31 mil milhões de euros.

O objetivo é, com este montante, desbloquear 300 mil milhões de euros em apoio à solvência das empresas e prepará-las para um “futuro mais limpo, digital e resiliente”, nomeadamente no que toca às “empresas europeias saudáveis nos setores, regiões e países mais afetados”, como a agência Lusa já tinha avançado.

Ainda nos apoios ao setor privado, o executivo comunitário pretende aumentar a verba alocada ao programa de apoio ao financiamento de empresas InvestEU para um total de 15,3 mil milhões de euros e criar uma nova facilidade de investimento estratégico integrada neste projeto.

O objetivo é “gerar investimentos até 150 mil milhões de euros no reforço da resiliência dos setores estratégicos, nomeadamente os ligados à transição verde e digital, e das principais cadeias de valor no mercado interno, através de um contributo de 15 mil milhões de euros”, segundo o executivo comunitário.

Já o terceiro pilar tem o intuito de “tirar lições da crise”, com Bruxelas a querer um novo programa de saúde, que designou de EU4Health, para “reforçar a segurança sanitária e preparar futuras crises sanitárias com um orçamento de 9,4 mil milhões de euros”.

Ainda no âmbito sanitário, é proposto o reforço do Mecanismo de Proteção Civil da UE em dois mil milhões de euros “para equipar a União para se preparar e responder a futuras crises”.

Este pilar contará também com a mobilização de 94,4 mil milhões de euros para o programa Horizonte Europa para “financiar a investigação vital no domínio da saúde” e ainda a alocação de um montante adicional de 16,5 mil milhões de euros para ações externas, incluindo a ajuda humanitária, aos parceiros mundiais da Europa.

“Outros programas da UE serão reforçados para alinhar plenamente o futuro quadro financeiro com as necessidades de recuperação e as prioridades estratégicas e outros instrumentos serão reforçados para tornar o orçamento da União mais flexível e mais reativo”, adianta a Comissão Europeia.

Grupos políticos saúdam Fundo de Recuperação com diferentes entusiamos

Os grupos políticos do Parlamento Europeu (PE) acolheram com mais ou menos entusiasmo as propostas de um Fundo de Recuperação da União Europeia (UE) de 750 milhões para responder à crise de Covid-19 e do Quadro Financeiro Plurianual.

A maior família política, do PPE (que integra os eurodeputados do PSD e o do CDS), salientou, em comunicado, que a Comissão Europeia “colocou novamente a solidariedade no coração da Europa, onde pertence”.

Estamos a dizer, alto e em bom som, que não deixaremos ninguém nem nenhum país para trás nesta crise”, sublinhou o líder do grupo do Partido Popular, Manfred Weber.

A segunda maior família, S&D (a que pertence o PS), esclareceu, através de um comunicado da sua líder, Iratxe García Pérez, que a proposta “é boa porque inclui os novos instrumentos necessários para enfrentar o pós crise de Covid-19”, para reativar a economia e “deixá-la mais bem preparada para qualquer futura crise”.

No entanto, alertam os Socialistas e Democratas no PE, “falta decidir como irão ser utilizados estes instrumentos e como maximizar a sua alavancagem”, deixando García Perez o aviso de que o grupo será “exigente nas negociações com o Conselho da UE”.

O Grupo da Esquerda Unitária (GUE-NGL), que integra os eurodeputados eleitos pelo PCP e pelo BE, acolheu o “cumprimento tardio” das promessas de “um instrumento comum de dívida e subsídios aos Estados-membros”, mas sublinhou que “os montantes ficam muito aquém do exigido pelo PE”, temendo ainda que haja condicionalidades penalizadores para os países já atingidos pela austeridade.

Os eurodeputados do movimento liberal Renovar a Europa, liderados por Dacian Ciolos, consideraram “notável” que a solução da presidente da Comissão Europeia de “ir pedir dinheiro aos mercados”.

É uma solução europeia para um problema europeu”, disse Ciolos, salientando a necessidade de serem restabelecer as perspetivas económicas, de salvaguardar e criar empregos.

O Fundo de Recuperação da União Europeia para responder à crise causada pela covid-19 prevê a distribuição de 750 mil milhões de euros por "três pilares", incluindo reformas, investimento privado e saúde, segundo a proposta hoje divulgada.

À proposta do de 750 mil milhões junta-se também uma proposta hoje apresentada e (ligeiramente) revista do próximo quadro financeiro plurianual da UE para 2021-2027, de 1,1 biliões de euros, com as ajudas hoje divulgadas pelo executivo comunitário a atingirem 1,85 biliões de euros.

Do total do Fundo de Recuperação proposto pela Comissão Europeia, 500 mil milhões de euros serão canalizados para os Estados-membros através de subsídios a fundo perdido e os restantes 250 mil milhões na forma de empréstimos.

Portugal poderá arrecadar 26,3 mil milhões de euros em subvenções e empréstimos no âmbito do Fundo de Recuperação da União Europeia (UE), após a crise de Covid-19.

Veja também: Portugal pode receber 26,36 mil milhões para ajudar à recuperação pós Covid-19

/ (Atualizada às 14:08) Publicada por ALM