“Os aviões [A310] estão absolutamente obsoletos. Eu como passageiro não entrava num avião da SATA. O que é dado a ver ao passageiro não tem condições nem conforto em comparação com o que a nossa concorrência oferece”, afirmou Luís Miguel Sancho, acrescentando, porém: “Não desaconselho os passageiros a voar na SATA”.





“Os aviões não têm idade, podem voar praticamente para sempre se formos tomando bem conta deles. A questão aqui é sempre a apresentação do avião”, referiu o comandante e auditor na SATA, acrescentando que sempre transmitiu às chefias as “questões relativas à segurança do voo para serem corrigidas e foram sempre desvalorizadas”.





“Sou pago para fazer 900 horas por ano, mas a empresa só me dá 300 horas por ano e pagam-me o mesmo ordenado. É uma empresa muito boa para mim, mas é incomportável manter-se as coisas nesses moldes”, afirmou Luís Miguel Sancho, acrescentando que, por outro lado, “há colegas que têm muitas horas extra”, pelo que “a empresa não está a rentabilizar os seus trabalhadores”.