A ANA – Aeroportos de Portugal pediu ao Ministério Público uma investigação sobre a falha no abastecimento de combustível no aeroporto de Lisboa em 10 de maio, anunciou hoje o presidente, adiantando que a gestora do aeroporto quer ser indemnizada.

“Apresentámos um pedido de investigação ao Ministério Público e contratámos uma empresa especialista em combustível para apurar a causa” do incidente, que há duas semanas afetou 41.681 passageiros, disse aos deputados o presidente executivo da ANA, Carlos Lacerda, numa audição no parlamento.

O cancelamento de 97 voos, o atraso de 202 e a divergência de outros 12 voos para outros aeroportos em 10 de maio afetaram, segundo o presidente da ANA, 41.681 passageiros, dos quais 26.704 devido a atrasos, 13.341 por voos cancelados e 1.637 por voos divergidos.

ANA estima 100 mil passageiros/dia no Aeroporto de Lisboa no verão

O presidente do Conselho de Administração da ANA, Jorge Ponce de Leão, disse hoje que, depois de sucessivos recordes, o Aeroporto de Lisboa pode atingir, este verão, “os 100 mil passageiros/dia”, estando preparado um plano de contingência.

Os 100 mil passageiros/dia que iremos, eventualmente, atingir este ano, durante o verão, obrigam a medidas de gestão do próprio aeroporto a que chamamos de contingência”, afirmou o “chairman” da ANA – Aeroportos de Portugal à agência Lusa, em Ponte de Sor.

À margem do evento aeronáutico Portugal Air Summit, Ponce de Leão não especificou quais serão essas medidas de contingência, mas disse que serão adequadas “ao ‘stress’ de uma utilização nos limites” do aeroporto.

No verão, sabemos que as companhias áreas não vão chegar rigorosamente nas horas previstas e temos que ter medidas de contingência. O aeroporto já as desenhou, teve o cuidado de planear a irregularidade”, referiu.

Segundo Ponce de Leão, face ao expectável aumento de passageiros, no verão, o aeroporto poderá recorrer, como costuma fazer nesta altura do ano, à contratação de jovens para “disciplinar os fluxos” de viajantes.

No verão, por vezes, utilizamos alguns jovens que ajudam no aeroporto a disciplinar fluxos, para que isso se processe de forma normalizada, de resto é pessoal da ANA”, frisou.

O “chairman” da ANA – Aeroportos de Portugal, que interveio esta manhã no debate “A Solução para Lisboa: Que desafios e oportunidades?”, defendeu que o aeroporto do Montijo, com o aproveitamento civil da base aérea, para complementar o Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, “é uma solução irrecusável”.