A Altice Portugal vai suspender os projetos de investimento, "em consequência do desastre das decisões do regulador" sobre o 5G, disse à Lusa o administrador João Zúquete da Silva.

As declarações do administrador da dona da Meo acontecem depois de uma reunião do grupo Altice Portugal, em Lisboa, sobre a posição da empresa relativamente às regras do leilão da quinta geração (5G).

O regulamento do leilão 5G é uma falácia. Foi elaborado para que a Anacom [Autoridade Nacional de Comunicações] possa cumprir um conjunto de indicadores estatísticos, que em nada servem realmente as pessoas, a economia, o país", afirmou João Zúquete da Silva, que também é chefe de delegação da Altice Portugal nas audições com os grupos parlamentares na Assembleia da República.

O gestor, que teceu críticas ao regulamento, disse que perante "esta realidade indesejada", além "dos mecanismos e ações de caráter jurídico e de litigância já anunciadas", a Altice Portugal não tem outra alternativa a não ser "repensar" a visão estratégica para Portugal, "fazendo todos os esforços para procurar a sustentabilidade financeira e a proteção do emprego".

Somos pois forçados a tomar medidas imediatas que passam pela suspensão de projetos de investimento em curso, pelo cessar do estabelecimento de novas parcerias, pela não operacionalização das atuais parcerias no território, com especial foco nos projetos em zonas de menor densidade populacional", prosseguiu João Zúquete da Silva.

Inclui também o "congelamento do programa de descentralização da inovação Altice Labs - ela própria com necessidade de ser reavaliada no âmbito das suas operações em Portugal -, e ainda pela suspensão da maioria dos programas de responsabilidade e apoio social, bem como o abrandamento significativo da expansão de fibra ótica e rede móvel", acrescentou.

Tudo isto, em consequência do desastre das decisões do regulador que, até ao momento, não foram contrariadas pelo Governo.O país, nomeadamente os autarcas, têm constatado o esforço da Altice Portugal na valorização dos seus territórios e em parcerias que em muito têm sido importantes para resolver problemas nos diferentes concelhos. Lamentavelmente, e perante este violento ataque ao setor, não temos outra alternativa que não suspender praticamente todos os investimentos que até agora decorriam no território português, com claro prejuízo para os nossos clientes, para o mercado, para a economia e para a sociedade", sublinhou o gestor.

"Tal como foi concebido, este regulamento empurra o país para um '5Gzinho', para um 5G administrativo e sem ambição, pois os operadores vão estar unicamente focados em cumprir as obrigações mínimas e não em desenvolver o 5G" e "tudo isto assente num conjunto de pressupostos e crenças da Anacom sem qualquer suporte técnico, estudos ou evidências, realizados internamente pelo próprio regulador ou por entidades externas independentes e credíveis", criticou, ainda, João Zúquete da Silva.

A pandemia de covid-19, prosseguiu, "tem obrigado os operadores a um reforço e investimento na capacidade, resiliência e segurança das redes, para garantir que todas as famílias e empresas continuem a trabalhar", tendo as telecomunicações passado a ser um bem essencial e um "fator chave" na conectividade entre pessoas e empresas, referiu.

"Face a esta nova realidade era fundamental que existisse bom senso e equilíbrio no regulamento para o 5G, só assim se colmatariam as verdadeiras necessidades do país. No entanto, não se avista qualquer medida que permita verdadeiramente a universalidade do acesso às redes de banda larga móvel, sendo que nesta matéria têm sido os operadores do setor das comunicações em Portugal a realizar o investimento necessário para o efeito", argumentou.

Sobre a importância da capilaridade de cobertura, o administrador considerou que o regulador e o Estado "na prática nada têm feito para dar resposta a esse desígnio".

João Zúquete da Silva salienta que "a verdade é que 10 anos após o lançamento do 4G em Portugal, e apesar da cobertura desta rede ser superior a 99,45% da população portuguesa, cerca de um terço dos portugueses não tem acesso a esta tecnologia por não possuir um 'smartphone'".

Ora, "esta situação verifica-se nas regiões de mais baixa densidade populacional do interior do país e foi uma destas regiões a escolhida pelo regulador para a primeira etapa das obrigações de cobertura 5G", salientou.

Na semana passada, o ministro da Economia manifestou-se "preocupado" com "tanta controvérsia" à volta do regulamento do leilão do 5G, salientando que a cobertura do território por "boas infraestruturas de telecomunicações" tem sido um fator de atratividade de investimento.

A Anacom divulgou na semana passada o regulamento, que gerou fortes críticas dos três operadores de telecomunicações.

/ CM