O presidente executivo da TAP, Antonoaldo Neves, disse hoje que quer o aeroporto do Montijo pronto “o mais rápido possível” e que, com a sua conclusão, a ANA assegure um novo contrato com revisão de taxas aeroportuárias na Portela.

Desejamos que o processo esteja concluído e que esteja pronto o mais rápido possível e que as tarifas na Portela diminuam”, disse aos jornalistas o gestor, falando à margem do lançamento das novas ementas de classe económica médio curso da TAP Air Portugal, em Lisboa.

Antonoaldo Neves lembrou que as taxas na Portela são atualmente “as mais caras que a TAP paga no mundo inteiro” e, por isso, defende que as negociações com vista à conclusão do aeroporto do Montijo “assegurem que no contrato com a Portela” haja uma revisão das taxas, para que estas possam ser “competitivas”.

O presidente executivo da empresa reiterou ainda que a TAP “não cogita em hipótese nenhuma” dividir o seu ‘hub’ numa mesma cidade, mas deseja que esta situação fique concluída o mais rapidamente possível de forma a responder ao aumento de tráfego aéreo nesta região.

A TAP tem um ‘hub’ em Lisboa e não se divide um ‘hub’ numa mesma cidade. Nenhuma companhia no mundo o faz. Não passa pela cabeça de quem está na aviação há muito tempo voos noutro aeroporto que não seja no seu ‘hub’ numa mesma cidade. Isso não tem o menor cabimento”, disse.

Esta semana, o presidente executivo da ANA-Aeroportos de Portugal garantiu que o novo aeroporto do Montijo não será ‘low cost’ (baixo custo), mas de “qualidade fantástica de serviço” e dirigido a transportadoras com rotas “ponto a ponto”, ou seja, sem correspondências.

Thierry Ligonnière recordou que o atual aeroporto, Humberto Delgado, vai manter o seu papel de ‘hub’ (plataforma de ligações aéreas), nomeadamente da TAP, enquanto a estrutura complementar prevista para o Montijo será para “ponto a ponto, para as companhias que o desejarem”.

A segregação não é no modelo económico. O Montijo será um modelo ponto a ponto e não ‘low cost’. Terá uma qualidade fantástica de serviço e estará dedicado a companhias dedicadas a ponto a ponto”, precisou.

Confiante na integridade "irretocável" de Fernando Pinto

O presidente executivo da TAP, Antonoaldo Neves, considerou ainda a integridade do ex-presidente da companhia Fernando Pinto “irretocável”, dizendo-se “muito tranquilo” nas investigações à compra da VEM e suspeitas de gestão danosa de que aquele é alvo.

“Eu sou amigo do Fernando [Pinto] e tenho plena confiança na sua integridade, na capacidade de fazer pela TAP o que precisava de ser feito. Estou absolutamente muito tranquilo tanto por ele como pela TAP, que a integridade do Fernando é irretocável”, disse.

No mês passado, o jornal Público avançou que Fernando Pinto foi constituído arguido no âmbito da investigação da Polícia Judiciária (PJ) à compra da VEM, processo que decorreu entre 2005 e 2007, sob a suspeita de gestão danosa.

Posteriormente, o Ministério Público confirmou à agência Lusa que o antigo presidente da TAP Fernando Pinto e mais quatro pessoas são arguidos num processo que investiga alegados crimes de administração danosa e burla qualificada.

O processo é dirigido pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal.

Em abril de 2016 foram realizadas buscas nas sedes da TAP e da Parpública (‘holding’ do Estado onde a transportadora está incluída) pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da Polícia Judiciária, por suspeitas de gestão danosa e lucros ilícitos.