O programa Apoiar vai ser alargado às empresas que continuam encerradas desde o início da pandemia de covid-19, como é o caso dos espaços de animação noturna, disse o ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, nesta quarta-feira

O Governo decidiu que irá estender a aplicação do programa Apoiar para aquelas atividades que continuam impedidas de funcionar”, afirmou o ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital durante uma audição regimental na comissão parlamentar de Economia, Inovação, Obras Públicas e Habitação.

Siza Vieira explicou que "a perspetiva mais vigorosa” da economia para o terceiro trimestre tem de ser agora “mais moderada” devido à evolução da pandemia que está a afetar nomeadamente o turismo, sublinhando que as atividades que se mantinham encerradas desde o início da pandemia, como os espaços de animação noturna, “provavelmente vão ter mais algumas semanas” antes de poderem retomar a atividade.

Na sua intervenção inicial, o ministro voltou ainda a considerar "provável" que a obrigatoriedade de apresentação de um teste negativo à covid-19 ou do certificado digital seja alargada a outras atividades, além da restauração, à semelhança do que está a acontecer noutros países, como a Áustria, Alemanha, Dinamarca e França.

O programa Apoiar fez chegar às empresas, até ao final do primeiro semestre, “pagamentos superiores a 1,1 mil milhões de euros” nos setores mais afetados pela covid-19, divulgou na semana passada o gabinete do ministro da Economia.

O programa Apoiar consiste num apoio de tesouraria, sob a forma de subsídio a fundo perdido, para apoio a empresas dos setores particularmente afetados pelas medidas excecionais aprovadas no contexto da pandemia.

No âmbito do Apoiar Rendas, lançado em fevereiro, foram apoiados cerca de 25.000 projetos, correspondendo a mais de 66 milhões de euros de financiamento, dos quais foram já pagos cerca de 75%.

A medida Apoiar Rendas, inserida no programa Apoiar, é um instrumento de apoio a fundo perdido à tesouraria das empresas que explorem negócio em espaço arrendado, com o objetivo de apoiar o pagamento das rendas.

Agência Lusa / CM