“É uma medida que tem um preço muito baixo, para não dizer zero, e que pode ter um impacto imediato no preço. A Comissão Europeia não foi sensível a essa medida até agora, mas Portugal pediu que daqui a dois meses, se não virmos que estas medidas estão a restabelecer o normal funcionamento do mercado, que volte a ser colocada em cima da mesa esta hipótese”, adiantou a ministra.



Produtores lamentam reduzido valor da ajuda


“Qualquer ajuda neste momento é bem-vinda e é positiva, não queremos menorizar a ajuda que será concedida aos produtores de leite nacionais porque a situação é muito grave (…), mas o envelope nacional é muito baixo”, disse Fernando Cardoso à Agência Lusa.




“É uma relação muito desequilibrada”, comentou.






“A crise atingiu os produtores de todo o país de forma transversal”, salientou.



Indústria do leite reclama “medidas de longo prazo”


“Não há nenhuma medida efetivamente estruturante, que esteja a olhar para a fileira numa pespetiva de médio e longo prazo. Estamos a tentar resolver um assunto hoje e a tentar arranjar medidas, à semelhança do que se fez no passado, para resolver este problema hoje, mas ele amanhã permanece”, considerou Paulo Costa Leite.


“Temos falado sempre das causas próximas desta crise, para além de o fim das quotas leiteiras, o problema [do embargo] russo, o problema da China e o problema da produção mundial que está a aumentar em todos os países e não se vê que a situação de fundo esteja realmente a ser tratada e pensada”, acrescentou.