O rácio de crédito em risco em percentagem do crédito bruto do sistema bancário português baixou ligeiramente no terceiro trimestre (12,6%) face ao trimestre anterior (12,7%), revelou o Banco de Portugal (BdP) num relatório divulgado esta terça-feira.

Em termos de segmento, no final de setembro, o rácio de crédito em risco das empresas não financeiras continua a ser o mais elevado, ascendendo a 20,2%, seguido pelo crédito ao consumo e outros fins (14,9%) e pelo crédito à habitação (6%).

A diminuição do crédito em risco reflete, sobretudo, os desenvolvimentos no segmento das sociedades não financeiras, no qual se conjugou uma diminuição do crédito em risco (efeito numerador) e um aumento do crédito (efeito denominador)", especificou o banco central.

Já o 'stock' de imparidades para crédito situou-se em 8,2% do crédito bruto, tal como nos dois trimestres anteriores.

Redação