controllerà porta fechadahomem do gravador

«Foi [uma audição] frutífera. Verificámos na parte final de que possivelmente poderia ter sido realizada à porta aberta, mas o nosso objetivo é a procura da verdade até às última consequências (...) Esta audição ainda não terminou, porque o problema que se põe é de duas jurisdições distintas, nacional e do Luxemburgo»

«A grande maioria das perguntas que envolviam holdings e empresas ligadas ao GES, não foram respondidas, invocando-se o segredo de justiça e processos crime»









«Conseguiu ter-se indícios dessas relações e desses factos. Mas são meias respostas. Precisamos da outra metade e daí a necessidade de termos esse contacto com as autoridades [do Luxemburgo]»



TVIgravações desses encontros secretos

responsáveis pelas contas do grupo