O Montepio chegou a acordo para a venda de uma carteira de crédito malparado no valor de 321 milhões de euros à empresa Panorama Jubilante, de acordo com um comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

A Caixa Económica Montepio Geral, caixa económica bancária, S.A. informa que no dia 12 de julho de 2019, e após um processo de venda competitivo, foi celebrada uma escritura pública de venda de uma carteira de créditos não produtivos ('non-performing loans'), sob a forma de venda direta, à empresa Panorama Jubilante S.A”, lê-se no comunicado, que não indica o valor concreto da venda.

O Montepio adianta ainda que a firma que comprou a carteira é uma “sociedade validamente constituída e regida pelas leis portuguesas, com sede em Portugal”.

De acordo com o banco, “o montante bruto alienado foi de 321 milhões de euros, numa carteira que englobou aproximadamente 13 mil contratos”, sendo que esta operação “materializa a estratégia do banco Montepio de contínua redução de ativos não produtivos”, detalha a mesma nota.

O Montepio, à imagem do que tem a acontecido com outros bancos nacionais, tem levado a cabo um processo de venda destes créditos problemáticos.

Em dezembro do ano passado, a instituição anunciou que tinha vendido outra carteira de crédito malparado de 239 milhões de euros a uma empresa da Irlanda, sem divulgar o valor do negócio, disse em comunicado à CMVM.

A carteira alienada contava com 10 mil contratos, de acordo com a informação divulgada na altura.

Os bancos vendem carteira de crédito malparado para melhorar o seu balanço. Contudo, esta estratégia pode ter impacto negativo nos resultados caso haja necessidade de suprir a diferença a que os créditos estão registados no balanço e o valor a que são vendidos.

O Montepio teve um lucro de 12,6 milhões de euros em 2018, um aumento face aos 6,4 milhões de euros de 2017, divulgou em março a instituição.

De acordo com comunicado do banco, "este valor ficou comprometido por um conjunto de fatores excecionais que se registaram no quarto trimestre, e que não estão diretamente relacionados com a atividade do banco".

Entre esses fatores, de acordo com a mesma informação, estava a venda desta carteira de créditos em incumprimento, no valor de 239 milhões de euros, "que determinou a redução do resultado líquido de 8,3 milhões de euros", detalhou o Montepio.

/ ALM com Lusa